Pular para o conteúdo principal

OS DIAS DA CRIAÇÃO

Resultado de imagem para imagens sobre o big bang 

Voltamos a tratar desse tema devido a sua importância na construção de bases sólidas para a fé cristã. A leitura deste texto, junto com “Compreendendo Gênesis 1”, proporciona uma boa reflexão sobre a questão das origens. Outra razão é que é natural o leitor iniciante da Bíblia ir ao texto bíblico com as lentes da sociedade científica e tecnológica em que vive. Por essa razão lhe espanta as afirmações de que Deus criou o universo em apenas seis dias e que a luz foi criada, logo no primeiro, sendo que os luminares que a irradiam só surgiram no quarto (Gênesis1). Como entender essas afirmações?  

Muitos já apresentaram soluções à essas questões. Uma delas mostra o esforço de interpretação alinhado à ciência. É o caso dos que afirmam que os dias de Gênesis seriam períodos de tempos equivalentes às eras geológicas. Nessa linha, é possível dizer que a luz do primeiro dia seria decorrente da explosão inicial de que fala a teoria do “big bang”, sobre a origem do mundo. Mas esse caminho não apresenta sustentação escriturística. Também, é importante ressaltar que a teoria do “big bang” é frágil em seu propósito. Só explica bem a condição atual do universo: sua expansão. Não apresenta explicação racional para as condições originais do cosmo. 

Existe, ainda, por parte de muitos, uma fixação de que os dias de Gênesis 1 seriam de 24 horas, como conhecemos hoje. É o esforço da linha de interpretação literal da Bíblia. No entanto, nem tudo, no texto bíblico, pode ser tomado literalmente. É claro que Deus poderia ter criado tudo em apenas seis dias. Ele é Deus. Mas é pouco provável que os dias da primeira página da Bíblia sejam como conhecemos hoje. Wenham (2009, p. 101), em seu comentário sobre esse texto bíblico, observa que essa palavra “dia” se refere a períodos de tempo relativos à atividade do Criador e não humana. Assim, ele considera pouco provável que sejam dias de 24 horas [1]. 

É compreensível essa preocupação em entender esse texto das Escrituras, pois ele está na base de toda a cosmovisão cristã. O ser humano percebe a existência, a realidade, a partir dos planos “tempo” e “espaço”. Logo, é natural que ele queira entender como e quando tudo começou. Também é preciso ser realistas e reconhecer que a linha de interpretação alinhada à Ciência, bem como a que busca a literalidade do texto, não respondem, satisfatoriamente, à questão. Então, qual seria um caminho viável para entender esse problema? 

Gênesis 1 não constitui um texto científico. Muitos estudiosos entendem que esse primeiro capítulo da Bíblia foi escrito dentro do estilo literário da poesia hebraica, que se caracteriza pela repetição e paralelismo de ideias. Veja, por exemplo, esses aspectos em Gênesis 1:27: “Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou”. Observe como a mesma ideia é dita três vezes. Outra evidência de que esse texto é pura poesia pode ser vista expressão “passaram-se a tarde e a manhã”, que fecha a descrição de cada dia da criação. 

O próprio texto de Gênesis 1, como um todo, se revela estruturado em um paralelismo. Os dias não são descritos dentro de uma linearidade, mas em paralelo. Os três primeiros se relacionam, respectivamente, com os três últimos. A luz é criada no primeiro dia, mas os luminares, que a irradiam, só são criados no quarto. O firmamento e as águas que surgem no segundo dia, só recebem os seres, que neles habitam, no quinto. O mesmo ocorre como o terceiro e o sexto dia. Então Gênesis 1 não pode ser tratado como um texto científico, mas como um texto teológico, escrito no estilo poético que afirma Deus como criador do universo. 

O autor não está interessado em explicar como Deus criou o mundo, mas em declarar que Ele o criou. E essa verdade precisa ser recebida pela fé, pois “sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam” (Hebreus 11:60). É claro que o ser humano caído, separado de Deus, rejeita receber tão importante verdade pela fé. Ele quer explicações, provas, comprovações, pois se entende como estando no controle de tudo. Por isso mesmo Deus determinou ao homem o caminho da fé para se chegar à Verdade, isto é, a Ele.

Antônio Maia – M. Div

Direitos autorais reservados

WENHAM, G.J. Comentário Bíblico Vida Nova. São Paulo. Ed Vida Nova, 2009.


Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré