Pular para o conteúdo principal

MUITO ALÉM DA RELIGIOSIDADE


MUITO ALÉM DA RELIGIOSIDADE
O Apóstolo Paulo representa o exemplo mais marcante de que uma vida religiosa nem sempre significa uma vida com Deus. Uma pessoa pode ser zelosa e séria em sua prática religiosa, mas, ao mesmo tempo, estar longe de Deus. Embora muitas religiões falem do Criador, seus seguidores não possuem uma vida espiritual genuína, pois não tiveram um encontro pessoal com Ele. São apenas fiéis seguidores de uma tradição religiosa humana, que embora tenha uma aparência de sagrada, é incapaz de aproximar o homem do verdadeiro Deus.

É nesse ponto que se fundamentam as “guerras santas”, onde pessoas matam outras em nome de Deus. Cegos, espiritualmente, amam mais a sua religião do que ao próximo. Paulo foi assim. Segundo o evangelista Lucas, durante o apedrejamento de Estêvão, “as testemunhas deixaram seus mantos aos pés de um jovem chamado Saulo... e Saulo estava ali, consentindo na morte de Estêvão” (Atos7.58,60). Alguns estudiosos veem, nessas palavras, Paulo como encarregado do apedrejamento[1]. Mais à frente, Lucas escreveu: “Saulo, por sua vez, devastava a igreja. Indo de casa em casa, arrastava homens e mulheres e os lançava na prisão” (Atos8.3). 

O Apóstolo dos gentios antes de conhecer a Cristo, orgulhava-se de sua religiosidade. Israelita circundado ao oitavo dia de vida, da tribo de Benjamim, “verdadeiro, hebreu; quanto à Lei, fariseu; quanto ao zelo, perseguidor da Igreja; quanto a justiça que há na Lei, irrepreensível...”. Mas depois de seu encontro com Cristo, declarou: “o que para mim era lucro, passei a considerar como... esterco para poder ganhar Cristo e ser encontrado nele, não tendo a minha própria justiça que procede da Lei, mas a que vem mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus...” (Filipenses3.5-9).

Muitas pessoas estão aprisionadas a um processo de autossalvação. Acreditam que serão salvas por seguirem os códigos de sua religião. Mas o profeta Isaías disse que “as nossas justiças são como trapo de imundícia” (64.6), isto é, não há nada tão nobre que possamos fazer que pague a nossa salvação. Esse é o sentido da graça: o homem é incapaz, por si só, de salvar-se, mas Deus, por muito amá-lo, providenciou sua salvação meio do sacrifício de Jesus. Quando Paulo entendeu isso, abandonou sua própria justiça e abraçou “a que vem mediante a fé em Cristo”.

De acordo com o relato de Lucas, em seu encontro com o Senhor, na estrada para Damasco, Paulo perdeu a visão e só voltou a enxergar por um milagre divino, depois que o cristão Ananias orou por ele (Atos9). Essa narrativa nos faz pensar que o homem sem Deus, ainda que religioso, não enxerga a realidade espiritual. Enxerga as doutrinas, a liturgia, os costumes, a iconografia, mas essas coisas constituem, apenas, uma espécie de interface religiosa que aponta para o sagrado. Precisamos enxergar além dessa cortina para ver Deus e o mundo espiritual, do contrário estaremos apenas no plano da religião. E esse “enxergar”, como aconteceu com Paulo, é uma ação divina no homem.

Foi por isso que Jesus disse a Nicodemos, um religioso conhecedor da Lei e membro do Sinédrio: “é necessário que vocês nasçam de novo”, isto é, nasçam do Espírito (João3.1-8). Só alcançamos as instâncias espirituais que estão muito além da religiosidade quando abrimos a nossa mente, o nosso coração e todo o nosso ser para Deus. Então, o Espírito de Deus, segundo Paulo, desperta o nosso espírito para a verdadeira vida com Deus (Romanos814-17).

Escrevendo aos Efésios, o Apóstolo Paulo falou da necessidade de nossos “olhos do coração” serem iluminado para compreender a realidade espiritual. Ele mesmo, depois de seu encontro com Deus, vivenciou experiências que a religiosidade morta não alcança. Aos Coríntios, falando dele mesmo, escreveu: “conheço um homem em Cristo que, há catorze anos... foi arrebatado ao paraíso e ouviu coisas tão maravilhosas que não podem ser expressas em palavras, coisas que a nenhum homem é permitido relatar” (2Coríntios 12.2-4). É claro que só poucos, altamente comprometidos com a obra de Deus, terão uma experiência espiritual como essa. Mas serve para mostrar que há muito mais na vida com Deus que no formalismo religioso.  
Antônio Maia – M.Div

Direitos autorais reservados
Nosso livros na amazon.com.br




[1] BIBLIA de Estudo Nova Versão Internacional. São Paulo: Vida, p1865.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré