Pular para o conteúdo principal

OS ANJOS DE DEUS


De acordo com a narrativa do Gênesis, antes da Queda, no Éden, a humanidade vivia na ausência do mal. Mas, após o pecado original, o mundo passou a sofrer a influência do maligno (1Jo5.19), de tal modo que, segundo o Apóstolo Paulo, a luta dos cristãos não é contra homens, mas “contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais” (Efésios6.12). No entanto, por causa do amor de Deus pelos homens, a vida humana é também alvo da ação de anjos divinos “enviados para servir aqueles que hão de herdar a salvação (Hebreus 1.14).

Desse modo, é possível encontrar no texto bíblico inúmeras narrativas em que anjos de Deus agem em favor da humanidade. Segundo Moisés, por exemplo, miríades de anjos presenciaram a outorga da Lei a Israel, no Sinai (Deuteronômio 33.2 e Hebreus 2.2). Tal fato mostra a relevância daquele evento, pois a Lei é Deus entre os homens em forma de palavras. Ela ao mesmo tempo que mostra a santidade divina, aponta para a necessidade humana de um Salvador, pois o ser humano não consegue cumpri-la.

Outro exemplo da ação de anjos em favor dos homens se encontra registrado em 2Reis. A Síria e Israel estavam em guerra. Tudo o que o rei da Síria planejava com seus comandantes Deus revelava ao profeta Eliseu que, por sua vez, contava ao rei de Israel. Então, o Rei da Síria ordenou que capturassem Eliseu. Certa manhã, o auxiliar do profeta, ao acordar, viu a cidade em que se encontravam cercada por carros de guerra da Síria. Preocupado, falou a Eliseu. Este orou a Deus pedindo que Ele abrisse os olhos do jovem para que visse a realidade espiritual. “Então o SENHOR abriu os olhos do rapaz, que olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu” (6.8-23).

O nascimento de Jesus Cristo, o Filho de Deus, também teve a participação de anjos. Segundo o evangelista Lucas, o anjo Gabriel apareceu à Maria para anunciar-lhe que ela ficaria grávida por ação do Espírito Santo (1.26-38). Logo após o nascimento do menino Jesus, um anjo apareceu a um grupo de pastores, que cuidavam de suas ovelhas no campo. Enquanto esse anjo anunciava a chegada ao mundo do Salvador, “uma grande multidão do exército celestial apareceu” e glorificava a Deus (Lucas2.8-20). Depois de um tempo, outro anjo apareceu a José e o orientou para que fugisse para o Egito, pois Herodes planejava matar Jesus (Mateus2.13-21).

Anjos auxiliaram Jesus em outros dois momentos cruciais de sua vida. Após quarenta dias de tentação, no deserto, “anjos vieram e o serviram” (Mateus4.11). E no Getsêmani, em sua angústia, “apareceu-lhe, então, um anjo do céu que o fortalecia” (Lucas22.43). Os evangelhos, contudo, mostram que Ele enfrentou sua caminhada terrena sozinho, valendo-se de sua comunhão com o Pai, por meio da oração. Mas, aparentemente, Ele tinha anjos ao seu dispor. No momento de sua prisão, repreendeu Pedro e falou: “você acha que eu não posso pedir a meu Pai, e ele não colocaria imediatamente à minha disposição mais de doze legiões de anjos?” (Mateus26.53). A pesar desse apoio, Jesus foi sozinho para a cruz.
Antônio Maia – M. Div.
Direitos autorais reservados
 
Nossos livros na amazon.com.br


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré