Pular para o conteúdo principal

AH, SE UM DE VOCÊS FECHASSE AS PORTAS DO TEMPLO!



“Ah, se um de vocês fechasse as portas do templo! Assim ao menos não acenderiam o fogo do meu altar inutilmente. Não tenho prazer em vocês, diz o Senhor dos Exércitos, e não aceitarei as suas ofertas” (Malaquias 1:10). O ano era, provavelmente, 433 a.C. Israel voltara do exílio babilônico, o templo fora reconstruído, mas a vida não era majestosa como antes. Sabiam que não passavam de uma província periférica do Império Persa. O culto, que ofereciam a Deus, consistia, apenas, em repetições desanimadas de um ritual formal e já não levavam a sério a Lei.    

A quem Deus dirigira tão duras palavras? O texto responde: “a vocês, sacerdotes” (Malaquias 1:6). Os sacerdotes já não davam a devida honra a Deus. O texto diz que desprezavam o nome do SENHOR ao permitirem animais cegos, aleijados, roubados e doentes para o sacrifício, que era o centro do culto, na época do Antigo Testamento (Malaquias 1:6-9). O sacrifício era um ritual que apontava para a morte de, nada menos que, o Filho de Deus, na cruz, e por isso o animal deveria ser sem defeito e de muito valor para aquele que o ofertava.    

Por esse texto, observa-se que pesa sobre os ombros dos líderes religiosos muitas responsabilidades ante a Deus e aos que lideram. Espera-se deles que sejam pessoas chamadas e consagradas para a vocação pastoral, dedicadas à vida de oração e ao estudo das Escrituras sagradas. Sobre isso, Deus diz por meio de Malaquias: “porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e de sua boca todos esperam a instrução na Lei, porque ele é o mensageiro do SENHOR dos Exércitos. Mas vocês se desviaram do caminho e pelo seu ensino causaram a queda de muita gente...” (Malaquias 2:7,8). 

Essa mensagem sempre foi atual para a Igreja. Mas a história da Igreja mostra que ela sempre esteve aquém das expectativas divinas. Mas é sobre o sacerdote que Deus imputa a responsabilidade desse fato. Ele diz: “vocês se desviaram do caminho...”. É fácil notar, hoje, como muitos líderes religiosos se afastaram do modelo cristão de sacerdote e se seduziram com o conceito de sucesso do mundo, tornando-se celebridades. Cheios de si e vazios de Deus, consideram que o importante não é evangelizar, levar pessoas à vida de adoração a Deus, mas encher os templos. Sua práxis visa a isso: o sucesso mundano.

Longe da vida de oração e da reflexão na Palavra, muitos líderes religiosos perderam a visão do Deus da Revelação. O deus a quem cultuam e ensinam não passa de um ser de sua imaginação, uma projeção de seu eu caído, um deus customizado, domesticado. Por isso transformaram a Igreja em verdadeiros centros de entretenimento e consumo. “Igrejas shopping center”, onde os cristãos não vão mais para adorar a Deus, mas consumir novidades como artigos religiosos, palestras, conferências, seminários, cursos diversos, músicas, livros, pregadores e cantores do momento. 

Gananciosos e desejosos de poder, por meio de manobras regimentais, tomam a igreja da igreja e se tornam seus donos. Muitas congregações religiosas, hoje, são propriedades de um líder religioso que as toca como um negócio. Sem conexão com uma tradição teológica e até mesmo com as origens apostólicas, são comunidades da cabeça de um homem que, no fundo, está em busca de fama, poder e dinheiro. Os cultos são cheios de sensações sonoras e visuais para satisfazer os desejos estéticos dos que frequentam. As pregações são palavras de autoajuda e conforto, entregues em belas embalagens homiléticas, mas distantes do evangelho da cruz. São cultos não a Deus, mas ao ego humano. 

“Pelo seu ensino causaram a queda de muita gente (v.1:9)”... Quantas pessoas já abandonaram a Igreja ou estão abandonando-a nesse momento? Esses líderes prestam um desserviço ao Evangelho. Aviltam e desonram a Igreja de Cristo. Diante dessas coisas convém refletir, pois existe a seguinte palavra divina: “e agora essa advertência é para vocês, ó sacerdotes. Se vocês não derem ouvidos e não se dispuserem a honrar o meu nome, diz o SENHOR dos Exércitos, lançarei maldição sobre vocês, e até amaldiçoarei as suas bênçãos. Aliás, já as amaldiçoei, porque vocês não me honraram de coração” (Malaquias 2:1,2). 

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré