Pular para o conteúdo principal

O TEXTO DO ANTIGO TESTAMENTO

main


O texto do Antigo Testamento que temos hoje em nossas Bíblias é confiável? Em que medida ele corresponde ao escrito inicial? Essa questão é relevante, pois trata de documentos que distam de nós até mais de três milênios e, dos quais, não dispomos de nenhum autógrafo (manuscrito original do autor). Ela constitui o cerne de uma ciência que, quando se refere a manuscritos bíblicos recebe o nome de “Crítica Textual” e, quando trata de textos filosóficos e literários antigos chama-se de “Ecdótica”.  

Os autógrafos foram, provavelmente, escritos em pergaminho, isto é, pele de animais preparada para a escrita. Com o uso constante, eles se deterioravam e, então, eram reunidos para serem cerimonialmente enterrados, pois continham o nome sagrado de Deus. Mas antes disso, eles eram copiados; e aqui é que surge o problema. Os estudiosos concordam que nenhum copista seria capaz de reproduzir, fielmente, todo o texto hebraico do Antigo Testamento. Sim, eles cometiam erros e é por essa razão que existe a “Crítica Textual”.

Alguns exemplos de erros: omissão de letras ou palavras, duplicação de letras ou palavras; inversão da ordem de duas letras ou palavras; duas palavras unidas como uma; uma palavra separada em duas. Isso pode parecer preocupante, mas os especialistas ressaltam que apenas uma porcentagem muito pequena desses erros implica em diferença no sentido do texto sem, contudo, alterar pontos da doutrina. Assim, para que o leitor comum não pense que está lendo um texto não confiável, as versões bíblicas modernas trazem, nas notas de rodapé, as variantes textuais significativas.

É irrefutável a confiabilidade do texto do Antigo Testamento. Só para comparar, a cópia mais antiga que existe do poeta grego Eurípedes (480-406) foi escrita 1600 anos após a sua morte e ninguém questiona sua autenticidade. Já o manuscrito mais antigo que dispomos de Isaías, encontrado nas cavernas do Mar Morto, dista uns 450 anos de seu autor. Ele guarda estrita semelhança com o Isaías do códice leningradense, cópia completa mais primitiva do Antigo Testamento que existe, datada de 1008 d.C. e que constitui uma das fontes primárias do texto que lemos hoje.

Embora, um o longo tempo separe o texto atual dos autógrafos, a Crítica Textual do Antigo Testamento atesta sua grande exatidão em relação àqueles. Isso se deve à seriedade e à reverência dos sacerdotes, e depois dos copistas, na reprodução dos escritos sagrados. Graças a esses homens, hoje temos Escrituras autênticas e íntegras em relação ao original dos autores.

Antônio Maia – M.Div

Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré