Pular para o conteúdo principal

A RESSURREIÇÃO JÁ É UMA REALIDADE




Segundo os apóstolos Paulo e João, a ressurreição dos mortos só acontecerá no fim dos tempos. Contudo, ambos, cada um ao seu modo, afirmaram que ela já se manifesta na vida daqueles que “nasceram para Deus”, proporcionando comunhão com o Criador. A separação ocorrida na Queda, na decisão adâmica, foi anulada pela obra de Cristo. Por isso Paulo disse: “tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo ...” (Rm5.1). “Paz” não no sentido subjetivo (paz de espírito), mas porque, por meio de seu sacrifício, Cristo nos tornou, novamente, amigos de Deus.   

A teologia paulina, então, vai afirmar que aqueles que recebem Cristo, em seus corações, ressuscitam para um novo viver, já nesta vida. O pecado não tem mais domínio sobre eles e, por isso, devem viver não mais para si, mas para Deus. Veja o que disse o Apóstolo aos Romanos: “sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com Ele ... Ele morreu para o pecado uma vez por todas; mas vivendo, vive para Deus. Da mesma forma considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus ... ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida” (6.6-11). 

Já, escrevendo aos Efésios, Paulo disse: “Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões ... nos ressuscitou com Cristo e com Ele nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus ...” (2.4-6). Essa expressão “lugares celestiais” ocorre cinco vezes em Efésios. Ela denota a ênfase paulina de que a união entre o cristão e o Cristo ressurreto possibilita aos cristãos a graça de já participarem das bênçãos celestiais.

A teologia joanina, por sua vez, vai tratar essa questão dos efeitos da ressurreição, sobre os cristãos, sob o ponto de vista da vida eterna. É sabido, segundo o Gênesis, que Deus criou o homem para viver eternamente (2.17). Porém, com o pecado de Adão, a morte entrou no gênero humano (Rm5.12). No entanto, a ressurreição de Cristo a anulou e restaurou o ser humano para a vida eterna, novamente, com Deus. João, então, com base nas palavras de Jesus, afirmou que a eternidade já é desfrutada (3.36) pelos que seguem a Cristo, os quais nunca contemplarão a morte (8.51).

É claro que todos os cristãos vão morrer porque o corpo atual está corrompido, mas não experimentarão a morte eterna, pois ressuscitarão “no dia do Senhor” para a eternidade com Deus. João transcreveu a seguinte declaração de Jesus: “eu lhes asseguro: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida (João 5.24). Por isso o próprio Apóstolo declarou: “escrevi-lhes estas coisas, a vocês que creem no nome do Filho de Deus, para que vocês saibam que têm a vida eterna” (1João.5.13).

Antônio Maia – M.Div

Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré