Pular para o conteúdo principal

O AMBIENTE RELIGIOSO DE ISRAEL, À ÉPOCA DE JESUS.


O AMBIENTE RELIGIOSO DE ISRAEL À ÉPOCA DE JESUS
Os evangelhos e os documentos de Qumran revelam que havia, à época de Jesus, certa disputa religiosa em Israel. Os principais grupos se rivalizavam por discordarem, entre si, sobre a interpretação das Escrituras. Foram essas visões conflitantes e equivocadas que levaram à incompreensão da pessoa de Cristo e ao surgimento de uma trama para matá-lo (Mt26.3,4; Mc3.6). Tais textos mostram que pessoas, ainda que religiosas, quando põem suas opiniões e interesses acima do amor a Deus e ao próximo, tornam-se cruéis e transformam a fé num sistema opressor e preconceituoso (Jo7.19-24).

Entre os diversos grupos religiosos, destacava-se o dos saduceus, que representava as classes mais ricas e sofisticadas. Eram mundanos, dados à política e, teologicamente, não ortodoxos: negavam a ressurreição e a existência de anjos e espíritos (Atos 23.8). Por aceitarem apenas os cinco livros de Moisés e rejeitarem a tradição oral (Mt 15.2) tinham uma postura conflituosa com os fariseus e a piedade comum do povo. Mas, mesmo assim, seus membros vinham da linhagem sacerdotal e controlavam o templo.

Outro segmento importante era o dos fariseus, dentre os quais muitos eram mestres da lei. Tinham a fama de guardar, com rigor, a Lei de Moisés e a tradição dos anciãos. Jesus, porém, em muitas oportunidades, os chamou de hipócritas: “ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados: bonitos por fora, mas por dentro estão cheios de ossos e de todo tipo de imundície” (Mt23.27). Eram típicos religiosos que expressavam falsa espiritualidade. Ao contrário dos saduceus, criam em anjos, na ressurreição e alimentavam uma esperança messiânica.

Havia ainda os essênios, segundo documentos encontrados em 1947, na região do Mar Morto. Estes se afastaram, completamente, do culto do templo e das sinagogas para se dedicarem a uma piedade muito mais pura e rigorosa. Eles se consideravam o “remanescente” que praticava a verdadeira adoração a Deus. No conceito de sua santidade, não aceitavam na comunidade pessoas com defeito físico e idosos fracos que não conseguissem manter-se de pé na assembleia dos “santos”. O zelo deles preservou manuscritos da quase totalidade dos textos do Antigo Testamento.

Esse ambiente religioso recebeu a pregação de Jesus como um escândalo e viu, nela, um certo teor subversivo, pois falava de um Deus que queria tratar não com os que se acham santos e dignos, mas com os pecadores e impuros (Marcos2.16,17). As divisões e as interpretações equivocadas da Lei produziram esse ambiente de conflito e o distanciamento da santidade que ela inspira. Por essa razão, tornaram-se cegos, espiritualmente, e mergulharam no formalismo religioso, o qual os impediu de reconhecer o Cristo, esperado a tantos séculos. 
Antônio Maia – M.Div
Direitos autorias reservados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré