Pular para o conteúdo principal

O RANÇO LEGALISTA NA IGREJA PRIMITIVA



O RANÇO LEGALISTA NA IGREJA PRIMITIVA
Quando uma pessoa compreende o evangelho e o abraça, convertendo-se a Cristo, liberta-se, de imediato, de várias práticas pecaminosas e do modo de pensar sobre diversos assuntos. Certas atitudes, porém, persistem como resíduos do velho homem e só serão transformadas com o passar do tempo e a ação do Espírito, estimulada pela oração e a vida de devoção. Foi o que aconteceu com muitos judeus que receberam Cristo, em seus corações, mas que achavam que tinham que permanecer cumprindo certos itens da Lei.

Segundo o relato de Atos dos Apóstolos, o próprio Pedro teve que ser tratado nessa área. Antes de anunciar o evangelho a um centurião romano, o Espírito Santo revelou ao Apóstolo a nulidade das leis sobre alimentos puros e impuros, bem como o erro em discriminar os gentios, isto é, os não judeus (Atos 10.9-23). Pedro discerniu essa experiência e não hesitou em hospedar-se na casa de Cornélio a quem pregou a Cristo, vindo a se converter ele e sua família. Depois, o Apóstolo ainda passou alguns dias com eles, algo totalmente contrário ao judaísmo. 

Em Jerusalém, contudo, ele teve que se explicar, pois “os que eram do partido dos circuncisos o criticavam, dizendo: você entrou na casa de homens incircuncisos e comeu com eles” (Atos 11.2,3). Mas após o Apóstolo falar da visão que teve e contar que, enquanto pregava, o Espírito veio sobre os da casa daquele gentio, a semelhança do que aconteceu em Pentecostes, ficaram admirados. Isso mostra que os primeiros cristãos judeus não compreendiam que o evangelho fosse para os gentios tanto quanto para eles e que aqueles participassem dos benefícios da redenção.

Embora esse testemunho de Pedro, líder da Igreja, de que Deus não faz distinção entre judeus e gentios, havia sim certo preconceito em relação a esses. E a pressão não era pequena, pois em Gálatas encontra-se registrado um episódio em que Paulo repreende, publicamente, a Pedro, “pois, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, ele comia com os gentios. Quando, porém, eles chegaram, afastou-se e separou-se dos gentios, temendo os que eram da circuncisão” (2.12). Essa questão precisa ser vista com certa compreensão, pois a salvação por meio da fé em Cristo representa uma mudança radical de um paradigma milenar: justificação por meio da Lei. 

Mesmo com o evangelho se expandindo, entre os gentios, essa questão perdurou por muito tempo na igreja primitiva. Atos 15, narra que alguns judeus foram a cidade de Antioquia e ensinavam: “se vocês não forem circuncidados conforme o costume ensinado por Moisés, não poderão ser salvos”. Isso provocou uma grande discussão que só foi resolvida no primeiro concílio da Igreja em Jerusalém (Atos 15). Após os apóstolos se reunirem, Pedro dirigiu a palavra dizendo que não deveriam por sobre os gentios um jugo que nem eles suportaram (a Lei). Depois disse: “cremos que somos salvos pela graça de nosso Senhor Jesus, assim como eles também (Atos 15.11).   
ANTÔNIO MAIA

DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré