Pular para o conteúdo principal

O APÓSTOLO PEDRO EM TRÊS MOMENTOS



O APÓSTOLO PEDRO EM TRÊS MOMENTOS
O Apóstolo Pedro teve que percorrer um longo e doloroso caminho antes de tornar-se o grande homem que foi, frente à Igreja de sua época. Quando foi escolhido por Jesus para liderar a Igreja (João 21.15-17), não passava de um derrotado, pois, no momento da prisão de Cristo, o havia negado três vezes (Lucas 22.54-62). Sua história, contudo, é a de muitos cristãos, que começando no romantismo chegam à verdade sobre si até serem restaurados por Jesus e passarem a viver na dependência do Espírito.

É comum ver cristãos imaturos fazendo juras de amor a Deus por meio de palavras e canções cantadas com grande emoção. Não que isso seja errado, mas que haja consciência do que se fala, do que se canta e do compromisso assumido (Eclesiastes5.1-6). Pedro, em sua fase romântica, também foi assim. Certa vez ele disse a Jesus: “nós deixamos tudo para seguir-te” (Marcos10.28). Em outra oportunidade, após Jesus lavar os pés dos discípulos, em sua última noite com eles, Pedro lhe disse: “darei a minha vida por ti” (João 13.37). Também foi ele quem decepou a orelha de um dos que foram prender Jesus.

Mas aquele Pedro audaz e valente, que tinha sempre uma palavra pronta na boca, logo vai descobrir quem verdadeiramente é: um medroso. Na mesma noite em que disse que daria a vida por Jesus, negou ser seu discípulo três vezes. Na terceira, após o galo cantar, Jesus olhou para ele e, então, “saindo dali, chorou amargamente” (Lucas22.62). É muito doloroso quando alguém se encontra consigo mesmo, quando vê as máscaras caírem e enxerga a pessoa que realmente é. Uma sensação de decepção e desgosto profundo se instala, pois descobre que não é quem pensa que é.

O grande Apóstolo ficou arrasado, mas não apenas ele, pois no momento da prisão de Cristo “todos o abandonaram e fugiram” (Marcos 14.50). Jesus, porém, em seu imenso amor por eles os perdoou e os restaurou. O Apóstolo João registrou, em seu evangelho, que Ele, depois de sua ressurreição, apareceu aos discípulos às margens do mar de Tiberíades e os convidou para um café matinal em um gestou de amor, amizade e comunhão. A presença divina desnuda o íntimo do homem, mas se este render-se ao amor que ela exala, viverá a experiência de ser transformado. 

Depois daquele encontro com o Cristo ressurreto e após a decida do Espírito Santo, no Pentecostes, aqueles homens nunca mais foram os mesmos. Pedro tornou-se eloquente pregador a ponto de em apenas dois sermões promover um acréscimo da Igreja de 120 para 5.000 homens (Atos1.15;2.41;4.4). Por ter curado um aleijado que ficava sempre à porta do templo, foi preso e conduzido ao Sinédrio. Perante aquela Corte Suprema de Israel, discursou com intrepidez desafiando aquelas autoridades ao afirmar que não deixaria de pregar Jesus Cristo, a quem eles mataram. De acordo com Tertuliano e Orígenes, pais da igreja primitiva, por causa de seu testemunho de Cristo morreu crucificado de cabeça para baixo, em Roma, durante a perseguição aos cristãos promovida pelo imperador Nero, no ano de 68 d.C..    
ANTÔNIO MAIA

DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR
FOTO: "Chamada de Pedro e André" de Caravaggio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré