Pular para o conteúdo principal

LUCAS-ATOS




St_Luke
LUCAS-ATOS
O terceiro evangelho e o livro de Atos dos Apóstolos constituem uma única obra em dois volumes de um mesmo autor. De fato, Atos 1.1 passa essa impressão, pois o autor fala de um “livro anterior” e o destinatário, Teófilo, é o mesmo do evangelho. Há, ainda, a opinião dos críticos que afirmam que o estilo e o vocabulário desses dois textos apontam para uma mesma autoria. A separação dos volumes deve ter ocorrido quando começaram a fazer as primeiras coleções dos livros do Novo testamento, colocando esse evangelho junto com os demais.

Embora ambos os textos não identifiquem, inequivocamente, seu autor, evidências internas e externas apontam para a autoria do doutor Lucas, um gentio, convertido, que acompanhava Paulo em suas viagens. Esse fato pode ser observado em algumas passagens (Atos 16.8-10; 20.5-15; 21.1-18) e nessas palavras do Apóstolo: “Lucas, o médico amado, e Demas enviam saudações.” (Cl4.14). Além de outros testemunhos, o mais antigo manuscrito do terceiro evangelho, o papiro p75, datado de 175 a 225 d.C., atribui esse livro a Lucas[1].

A leitura contínua desses dois textos revela a grandiosidade da obra desse autor e sua intenção de registrar a “história dos primórdios do cristianismo”[2]. Após cuidadosa investigação (1.3), Lucas passa a relatar os “fatos que se cumpriram” (1.1), em Israel, situando-os, firmemente, no contexto da História secular da época (1.5; 2.1-2; 3.1-2). Assim, em Lucas-Atos a ação de Deus no mundo ganha concretude e deixa de ser mera ficção religiosa. O espiritual invade o material e se manifesta por meio de fatos, no tempo e no espaço. A salvação do homem por Deus se desenvolve na História.

Lucas percebe a importância do momento que vive e o registra em sua extensa obra. Em seu relato está a entrada de Deus, no mundo, por meio do nascimento de Jesus, o Filho. Este, ao mesmo tempo que revela Deus, vive a humanidade em sua verdadeira expressão e a resgata do poder das trevas pela obediência até à morte. Depois de sua ressurreição e ascensão aos céus, Lucas mostra que os seres humanos não ficaram abandonados: Deus veio a eles, no Pentecoste, na pessoa de seu Espírito, que passou a orientar a Igreja, na pregação da salvação anunciada por Cristo.

Lucas-Atos narra a história de uma fé que começou em uma insignificante província do império romano e que, no tempo de trinta anos, chegou aos seus rincões e, inclusive, a Roma. Narra a história de um novo caminho para chegar e seguir a Deus: Jesus. Os seguidores desse Caminho (16.17; 18.25,26; 19.9,23; 22.4; 24.14,22) viram Jesus como superior a Jonas e se arrependeram (Lucas 11.32), isto é, mudaram suas mentes, reorientaram suas perspectivas e adotaram um ponto de vista totalmente novo sobre o mundo e sobre Deus.    
ANTÔNIO MAIA

DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR

[1]   CARSON, MOO E MORRIS. Introdução ao Novo testamento. Vida Nova, p.125.

[2]   Idem, p. 203

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré