Pular para o conteúdo principal

DEUS EM BUSCA DO HOMEM




No século XVII, desenvolveu-se, entre alguns filósofos ingleses e franceses, um influente pensamento filosófico que afirmava, pela via da razão, a existência de Deus. Esse movimento, que depois foi chamado de Deísmo, encontrou forte apoio nas obras de eminentes cientistas da época, tais como o italiano Galileu Galilei (1564-1642) e o inglês Isaac Newton (1643-1727). Embora essa doutrina filosófica apresentasse a virtude de reconhecer a existência divina, constituía, entretanto, apenas um esforço racional para explicar a existência, isto é, o ser humano no universo. No fim, seus conteúdos lançaram as bases do moderno ateísmo. Segundo os deístas, Deus criara o mundo, mas depois o deixara à mercê de seus mecanismos e não mais interveio nele.

É claro que o Deísmo tem sua importância “na busca da compreensão do homem no mundo” [1], contudo, é inegável que a razão, alicerce sobre o qual ele se ergue, tem seus limites e não atinge todas as instâncias da questão. Desse modo, fica evidente a insuficiência de alcance que essa posição filosófica tem para explicar, plenamente, o que pretende. No final, será preciso fé para aceitar suas propostas. Como contraponto à via racional, há a Revelação dada por Deus, inicialmente, a um homem da mesopotâmia e, depois, a seus descendentes que a registraram no que hoje é conhecido como Sagradas Escrituras, a Bíblia.  

De fato, ao observar a humanidade mergulhada na dor e no sofrimento a impressão que fica é que não existe Deus. Mas, de acordo com as Escrituras, esse estado de coisas, que vemos no mundo, só se estabeleceu após a Queda, após o homem agir, pela primeira vez, segundo sua própria autoridade e não a divina. Deus, porém, não ficou indiferente: Ele veio até ao Éden conversar com o homem e decidiu expulsá-lo de lá porque ele perdeu o direito de comer da “árvore da vida”, símbolo da comunhão do homem com Deus, comunhão essa que fornece os nutrientes a vida do homem como originalmente foi criado (Gênesis3.9,22-24). Foi a primeira intervenção divina na humanidade, após a Queda. 

Fora do Éden, longe da presença de Deus, o homem adentrou em uma nova realidade de existência: este mundo em que vivemos. Mas, segundo estudiosos, por volta do ano 2.000 a.C., YAHWEH apareceu, Ele próprio, a Abraão e, cerca de quinhentos anos mais tarde, pessoalmente, a Moisés. Depois, com o decorrer do tempo, Ele se revelou a homens judeus, os profetas, lançando as bases de um evento maior: a sua encarnação na História. Sim, nos dias de Cesar Augusto, imperador romano, e Quirino, governador da Síria (Lucas2:1,2), Deus se fez homem e andou entre nós e, no fim de sua vida, abriu o caminho que leva o homem de volta ao Éden, isto é, para "um novo céu e uma nova terra", um mundo sem pecado e sem sofrimento como no início (Apocalipse 21.1-5). Esse caminho é sua morte e ressurreição. Esses eventos, morte e ressurreição, marcam o clímax da intervenção divina no mundo.

Então quando vemos o mundo em que vivemos, mergulhado no sofrimento, notamos que não há nada de errado com ele, mas sim com o homem. O mundo é lindo, mas o homem, longe de Deus, o transformou em um local de dor e angústia. O Apóstolo Pedro escreveu em sua segunda carta: “...os céus e a terra que agora existem estão reservados para o fogo, guardados para o dia do juízo e para a destruição dos ímpios” (3.7). De acordo com as Escrituras, o grande problema humano não é de ordem material, mas espiritual. Deus não está indiferente ao mundo. Seu movimento em direção ao homem já resolveu esse problema: sua condenação eterna no Hades. Mas o homem precisa se apropriar dessa solução, aproximando-se de Deus, pela fé, no sacrifício de seu Filho, Jesus Cristo.
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS
[1] MAIA, Antônio. O Homem Em Busca de Si – Reflexões Sobre a Condição Humana na Parábola do Filho Pródigo.

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré