Pular para o conteúdo principal

O TEMPLO DE JERUSALÉM



O TEMPLO DE JERUSALÉM
No contexto das aparições de Yahweh a Moisés, durante a peregrinação no deserto, Ele ordenou àquele profeta que construísse um tabernáculo: “e farão um santuário para mim, e eu habitarei no meio deles” (Êxodo25.6). Nele ficava a arca e, dentro dela, as tábuas da Lei. “Ali, sobre a tampa, no meio dos dois querubins que se encontram sobre a arca da aliança eu me encontrarei com você e lhe darei todos os meus mandamentos destinados aos israelitas”, disse Deus a Moisés (Êxodo25.22). Na época de Davi (1Crônicas22.1-6), quase cinco séculos depois, o tabernáculo foi substituído por um suntuoso templo erguido por seu filho Salomão (1Reis6).

Com o passar do tempo, o pecado e o distanciamento de Deus levaram os judeus a verem a arca da aliança e o templo como espécies de amuleto. Certa vez, ao sofrerem pesada derrota contra os filisteus, mandaram buscar a arca da aliança, pois acreditavam que a sua simples presença, os levaria à vitória. Contudo, não foi isso que aconteceu: foram novamente derrotados (1Samuel4.1-11). A narrativa do texto mostra que os israelitas estavam, em relação a Deus, com a mesma visão pagã que os filisteus nutriam sobre seus deuses. Acreditavam que “a deidade está identificada com o símbolo da sua presença e que o favor de Deus pode ser automaticamente obtido mediante a manipulação do símbolo”[1].

Ainda sobre esse aspecto, Jeremias mostra que, a pesar da vida de pecado, havia, na sua época, o mesmo senso de proteção por causa da existência do templo em Jerusalém. Mas o profeta os advertia: “corrijam a sua conduta... não confiem nas palavras enganosas dos que dizem este é o templo do SENHOR, o templo do SENHOR, o templo do SENHOR” (7.1-15). Mais à frente, Deus, por meio desse profeta, falou: “farei deste templo o que fiz do santuário de Siló, e desta cidade um objeto de maldição entre todas as nações da terra” (26.6). Era em Siló que ficava o tabernáculo após a conquista de Canaã, mas depois foi destruído. Igualmente, no ano de 586 a.C., Jerusalém e o templo foram destruídos pelo rei da Babilônia.

À época de Jesus, observava-se a mesma postura idólatra em relação ao templo. Jesus condenou esse comportamento e o modelo de espiritualidade professado pelos que o administravam (Mateus21.12,13 e Mateus23). Chegou também a profetizar sua destruição (Mateus 24.1,2). Em um de seus ensinos, referindo-se a si, Ele disse: “eu lhes digo que aqui está o que é maior do que o templo”. Em outro discurso Ele falou: “destruam este templo, e eu o levantarei em três dias... mas o templo do qual ele falava era o seu corpo” (João2.19-21). Só Deus é digno de adoração. O templo da época de Cristo só foi totalmente concluído em 64 d.C.[2], seis anos antes de sua completa destruição pelos exércitos romanos.

É claro que não há nenhum problema com templos e outros símbolos religiosos. Eles até têm uma função positiva, quando despertam o homem, mergulhado em uma realidade concreta, para a vida espiritual. O problema está em colocar esses ícones no mesmo nível da Divindade e passar a adorá-los ou ter uma reverência extrema por eles. Isso é religiosidade morta, idolatria. A proposta de Jesus é uma espiritualidade viva no interior, no íntimo do homem e que se projeta para o exterior por atos de justiça. O Apóstolo Paulo, falando sobre a vida espiritual, disse: “acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus...” (1Coríntios 6.19). A adoração a Deus deve acontecer, antes, em nosso interior, no altar que erguemos a ele em nossa mente e em nosso coração.

Em conversa com uma samaritana, Jesus falou que o local de adoração é irrelevante. O que conta é a forma, que deve ser “em espírito e em verdade... Deus é espírito” (João4.19-24). Desde o tempo dos profetas se observa a nulidade do templo se a adoração não é verdadeira. Ressalta-se de relevância, ainda, o fato de na “nova Jerusalém”, que desce do céu, no Apocalipse, não existir templo. Veja o texto: “não vi templo algum na cidade, pois o Senhor Deus todo-poderoso e o Cordeiro são o seu templo”(21.22). Essas reflexões nos impõem uma avaliação da nossa expressão religiosa. Convém atentar para o que disse Tiago, irmão de Jesus, sobre a verdadeira religião, a espiritualidade que agrada a Deus: “cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e não se deixar corromper pelo mundo”. Ele estava apenas citando de um modo diferente os dois maiores mandamentos: amar o próximo e amar a Deus.  
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS
[1] Bíblia Nova Versão Internacional, Comentário, Ed Vida, p.424
[2] Idem, p. 1791

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré