Pular para o conteúdo principal

EXILADO EM UMA NOVA EXISTÊNCIA


Em nosso livro O Homem em Busca de Si – Reflexões Sobre a Condição Humana na Parábola do Filho Pródigo defendemos a tese de que a Queda alterou a natureza original do homem, corrompendo os planos tempo/espaço e corpo/espírito que caracterizam seu ser. Ela distanciou o ser humano de si mesmo e o levou a exilar-se em uma nova existência. Tanto Adão quanto o filho pródigo se impuseram a um autoexílio ao comer o fruto proibido e ao deixar a casa paterna. Nessa nova condição, separado de Deus e da vida que tinha, o ser humano é apenas um prisioneiro no tempo, no mundo, no corpo e em si.

Ao contemplar o universo, o homem se percebe um estranho nele. Criado para geri-lo (Gn1.28; 2.15,19,20), era dotado de grande conhecimento sobre ele, mas agora nada sabe. O relâmpago, o trovão e a imensidão do mar o assustam. A mudança em seu ser, causada pela Queda, fez o ser humano sentir-se banido neste mundo. Albert Camus, filósofo francês, ao refletir sobre essa questão, disse: “... toda ciência desta Terra não me dirá nada que me assegure que este mundo me pertence”[1]. 

Longe de Deus, longe de si, o homem criou um mundo ao qual se escravizou. À medida que o tempo passava, ele construía sistemas sociais para atender às suas necessidades. Assim, surgiram as estruturas religiosas, políticas, educacionais, legais, econômicas, cujo funcionamento fez emergir uma “verdade” que molda e formata o pensamento e a práxis humanos, dando, de certo modo, um sentido para a sua vida. 

Hoje, essas estruturas tolhem sua liberdade e autonomia, reduzindo-o a mero componente de uma grande engrenagem. Sufocado, então, realiza-se como pessoa no acúmulo de bens, em títulos acadêmicos e no desempenho de papéis que lhe confiram relevância. Mas, quando olha para si, sabe que vê apenas uma imagem e não o seu verdadeiro eu. Só a “Verdade” o libertará, pois a que emerge desse sistema não responde a seus questionamentos mais profundos.  

Santo Agostinho, em sua luta interior pela compreensão de si, revelou a clausura do homem em um eu que ele não entende. Angustiado por sua crise interna, entregou-se, sem sucesso, aos prazeres e às atividades agradáveis como forma de alívio, pois continuava a ver-se como “um lugar de infelicidade, onde não podia permanecer e de onde não podia afastar-se”. Em seu íntimo, perguntava-se: “para onde meu coração fugiria de meu coração? Para onde fugiria de mim mesmo?”[2]. 

Kierkegaard também falou desse estranho eu que vive no homem. Ele escreveu: “o homem deseja sempre libertar-se do seu eu, do eu que é... o constrangimento de ser este eu que não quer ser, é o seu suplício. Pois não pode libertar-se de si mesmo”[3]. Paulo, muito tempo antes, falou sobre essa incoerência interna com outras palavras: “pois tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer ...” (Romanos 7.18,19).  

Albert Camus, filósofo francês, ateu, descreveu muito bem a condição humana. Contudo, o autor da presente obra entende que a realidade descrita por Camus só se configurou após a Queda. Disse o filósofo: “quando tento captar este eu que me asseguro, quando tento defini-lo e resumi-lo, ele é apenas água que escorre entre meus dedos ... o fosso entre a certeza que tenho da minha existência e o conteúdo que tento dar a essa segurança jamais será superado. Para sempre serei estranho a mim mesmo...”[4].  

Na verdade, o que esses pensadores estão querendo dizer é que há, no íntimo do homem, uma sensação de que ele está perdido. As coisas às quais o ser humano se apega, em busca de sentido, são como areia ao vento. Não se sustentam nem satisfazem os grandes questionamentos da vida humana. Por essa razão, o ser humano passa toda a sua existência em uma jornada em busca de si.

1.  CAMUS, Albert. O Mito de Sísifo. Edições BestBolso, Rio de Janeiro, 2014, p.32

2.  AGOSTINHO, Santo. Confissões. Ed Vozes, Petrópolis-RJ, 2011, p.84

3.  KIERKEGAARD, Soren. O Desespero Humano. Ed Vozes, Petrópolis – RJ, 2010, p.25

4.  CAMUS, Albert. O Mito de Sísifo. Edições BestBolso, Rio de Janeiro, 2014, p.32

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré