Pular para o conteúdo principal

A INFLUÊNCIA DOS CANANEUS EM ISRAEL


É possível que alguns, ou talvez muitos, leitores do blog não tenham gostado dos textos Consumismo e Ativismo Religiosos e Uma Nova Estética Religiosa, pois neles discorro sobre a influência da ideologia neoliberal na vida da igreja e dos cristãos. Como citei e comentei algumas fraquezas da igreja atual, é provável que me tenham tomado por presunçoso. Mas o evangelho ensina, como no caso do filho prodigo (Lucas15.11-32), a olharmos para nós mesmos, vermos onde temos errado e nos voltarmos para Deus. A igreja e seus líderes precisam fazer isso.

O homem é, em essência, um ser relacional. Está sempre em contato com o outro em constante troca de experiências e vivências. Por esse motivo, o cristão é chamado por Jesus para adotar uma posição de influência. Ele disse: “vocês são o sal da terra ... vocês são a luz do mundo” (Mateus5.13,14). Embora seja inevitável que não sejamos moldados pelo meio, isso não deve chegar ao ponto de desfigurar a vida espiritual que alcançamos em Cristo e tornar irrelevante a Igreja para a sociedade. Mas o risco existe. Nota-se, hoje, na Igreja, um desejo de “sucesso” não tocante à vida espiritual, mas relativo ao modelo do mundo.

No período do reinado, no século VII a.C., Israel assimilou tão profundamente o estilo de vida cananeu que Deus permitiu a sua destruição pelos assírios (722 a.C.) e babilônios (586 a.C.) para que um remanescente redescobrisse, no exílio, sua identidade de “povo eleito”. Ao que parece, não havia ensino das Escrituras ao povo, por aquela época, pois o “Livro da Lei” estava perdido nos aposentos do templo até que, em 622 a.C., foi encontrado pelo sacerdote Hilquias, o que resultou em um avivamento espiritual (2Reis22.8).

Naqueles anos de apostasia, introduziram, no templo, elementos do culto a Baal e Aserá que consistia em orgias sexuais e sacrifícios humanos. O rei Manassés (697-642 a.C.), por exemplo, construiu, nos dois pátios, altares para “os exércitos celeste” e queimou o próprio filho em sacrifício (2Reis 21.5,6). Havia ainda, no “templo do SENHOR”, um poste sagrado de Aserá, utensílios de culto a Baal e até instalações onde ficavam os “prostitutos cultuais”, que “comiam pães sem fermento junto com os sacerdotes, seus colegas” (2Reis 23.4,5,7,9). O próprio Salomão construiu altares a Astarote, Camos e Moloque, deuses de suas esposas pagãs (2Reis 23.13).

A ciência, a tecnologia e o materialismo não dispõem de argumentação suficiente para suplantar a beleza, a singeleza e a dignidade da mensagem de Jesus. Então, nós cristãos não podemos nos deixar seduzir pelo sucesso tão valorizado pelo neoliberalismo. O “sucesso” do cristão e da Igreja está em manter-se no evangelho e na humildade do testemunho de Cristo. O Apóstolo Paulo disse: “não nos pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor ... temos esse tesouro em vasos de barro, para mostrar que esse poder que a tudo excede provém de Deus, e não de nós”. Que tesouro? A “...iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo” (2Co4.5-7).
Antônio Maia – M.Div.
Direitos autorais reservados







Comentários

Já li um artigo bem interessante, que coloca os tempos do reinado de Acabe como tempos de prosperidade no reino do Norte. Para aqueles que avaliam o sucesso neste mundo como padrão de sucesso espiritual, devem estar cientes que nenhuma prosperidade será aprovada se construída sobre a idolatria e o sangue de justos como Nabote.

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré