Pular para o conteúdo principal

UMA NOVA ESTÉTICA RELIGIOSA


Este breve texto não constitui uma crítica destrutiva a pessoas ou instituições. Antes, porém, trata-se de um convite a pensar sobre a Igreja de Cristo, no século XXI. É fato inquestionável que a ideologia capitalista dita o modo de vida no mundo ocidental cristão. Sua influência, no tocante à igreja, é de tal ordem que tem alterado a doutrina, a organização, e feições da espiritualidade, dando origem a uma nova estética religiosa e espiritual.

O capitalismo moldou, tão profundamente, a sociedade ocidental que sua influência vai muito além da religião. Chega às instâncias da arte, da cultura e da educação. Esta, por exemplo, em vez de formar o homem para a vida como pessoa humana, busca desenvolver competências para tornar o homem mero componente dos sistemas de produção. Segundo essa ideologia, o sentido da vida é o sucesso, o acúmulo de riquezas, é estar em destaque. Foi dentro dessa ótica que foi criada a Teologia da Prosperidade, segundo a qual é desejo de Deus a riqueza material dos fiéis. É obvio que não é esse o sentido do evangelho de Jesus Cristo, que, por sinal, foi um homem pobre e ensinou: “não acumulem para vocês tesouros na terra...” (Mateus 6.19,20).

Há, entre muitos religiosos, um fascínio pelo crescimento da igreja que pastoreiam. A ordem de pregar o evangelho e levar pessoas a um encontro com Deus tem sido cumprida menos com o anúncio do querigma e mais com a aplicação de técnicas de crescimento de igrejas. Há uma busca pelo “sucesso”, pela admiração e pela fama entre muitos sacerdotes da igreja atual. Movidos, sem perceber, pelo estilo de vida capitalista, esses deixam a condição de servos e se tornam senhores, deixam de servir para serem servidos, de se disporem às pessoas para dispor-se delas. O capitalismo enfraqueceu a vocação sacerdotal.

Como resultado do crescimento, muitas igrejas sofreram uma mudança no “layout” de seus templos e na liturgia do culto. O altar ou o lugar onde fica o púlpito, de onde é feita a homilia, transformou-se em palco e o culto em algo parecido, as vezes, com um show ou uma apresentação com destaque para o período de músicas e o sermão. Há pouca leitura bíblica, pouca oração e as pessoas presentes participam privadas de uma relação dialogal com Deus. Uma liturgia que gera uma espiritualidade fundada em sensações visuais e auditivas sem interiorização da fé, do sagrado.

Essa nova estética religiosa e espiritual não contempla o fato de que o culto cristão ocorre na individualidade do testemunho de cada crente no mundo. E que, no templo, dar-se a adoração coletiva da igreja, o ensaio eucarístico cheio de esperança pela reunião com o Senhor que disse: “desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês antes de sofrer. Pois eu lhes digo: não comerei dela novamente até que se cumpra no Reino de Deus” (Lucas22.15,16). Observa-se a alusão a vários assuntos, no culto atual, que nem sempre conduzem à adoração a Deus e há pouco espaço para a oração, nessa nova estética espiritual. No entanto, o Senhor disse: “a minha casa será chamada casa de oração” (Mateus 21.13).
Antônio Maia – M. Div.
Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré