Pular para o conteúdo principal

A MENSAGEM DE JOÃO BATISTA

Algum tempo antes do início da atuação de Jesus Cristo, apareceu um homem pregando no deserto da Judéia, para onde afluíam multidões com o fim de ouvi-lo. Algo inédito e extraordinário, pois, por mais de quatrocentos anos, desde a profecia de Malaquias, último livro do Antigo Testamento, Deus não enviava profeta à Israel. Uma pessoa notável, cuja mensagem trouxe uma nova visão sobre a realidade espiritual, ensino esse, continuado e ampliado por Jesus em seu ministério. 

Mas sua mensagem não consistia apenas no conteúdo de sua pregação. Sua vida, no deserto, era um grito de protesto contra o estilo de vida da elite sacerdotal que assistia no templo e costumava explorar o povo com o comércio de animais para o sacrifício, fato esse reprovado, depois, por Jesus (Mateus 21.12,13). João Batista repreendeu essas autoridades e, ignorando-as, desenvolveu um ministério, independente, batizando as pessoas para perdão de pecados e pregando: “arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo” (Mateus 3.1-9).

Arrependimento era a tônica da sua mensagem, pois preparava o terreno para a chegada do Messias que viria logo após ele (Mateus 3.11,12). Mas os judeus aguardavam um Messias Rei, um líder religioso e nacionalista que ia restaurar o reino de Israel, entre as nações. No contexto dessa visão equivocada, eles cultivavam uma espiritualidade alicerçada no legalismo, isto é, no esforço inútil de cumprir a Lei e no formalismo religioso, ou seja, na observação mecânica dos rituais de sacrifício. Israel estava distante de Deus, vivendo como nos tempos do profeta Oséias que, falando em nome do SENHOR, disse: “desejo misericórdia, e não sacrifícios; conhecimento de Deus em vez de holocaustos” (Oséias6.6). 

O messianato de Jesus, porém, era outro, isto é, era espiritual. Ele vinha para libertar os homens do poder do pecado e levá-los a uma vida, novamente, sob o domínio de Deus. Observe que Mateus registrou que Jesus começou seu ministério com a mesma mensagem de João Batista: “quando Jesus ouviu que João tinha sido preso... começou a pregar: arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo” (Mateus 4.12,17). A ideia de Reino de Deus é central nos ensinos de Jesus e, só em Mateus, é mencionada cinquenta vezes. Mas o homem entra nesse reino não pela religiosidade morta, mas por meio de verdadeiro arrependimento. 

Essa palavra “arrependimento” vem do grego μετάνοια (metanóia) que significa uma conversão tanto espiritual quanto intelectual. É uma mudança de mente, o alcance de uma nova mentalidade, marcada pelo retorno a Deus que resulta em novas atitudes e ações morais e éticas. Uma espiritualidade interior que transborda para o exterior nos relacionamentos com Deus e com os homens. Paulo, escrevendo aos Romanos fala algo nessa direção: “se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Romanos 12.1,2). 

Esse ensino de João Batista, a mensagem do arrependimento de pecados, continuado, depois por Jesus Cristo e seus discípulos, reorienta a vida espiritual dos judeus daquela época. A espiritualidade para eles, naqueles dias, consistia no sentimento de pertencimento ao sistema religioso judaico com o templo, a Lei e os rituais, mesmo vivendo em desacordo com o ensino divino. Esse fato mostra que podemos estar longe de Deus, ainda que em meio a uma vida religiosa. Só a atitude de arrependimento, isto é, uma mente voltada para Deus, em nosso viver, nos próxima dele e nos faz sentir sua presença, o que nos leva a uma vida de amor a Ele e ao próximo.
Antônio Maia - M.Div.
Direitos autorais reservados
 https://www.amazon.com/SENHOR-ENSINA-NOS-ORAR-CENTRALIDADE-Portuguese-ebook/dp/B01I23HJE6/ref=sr_1_4?keywords=senhor%2C+ensina-nos+a+orar&qid=1561387167&s=gateway&sr=8-4

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré