Pular para o conteúdo principal

O MUNDO - UMA CRIAÇÃO DIVINA

A afirmação bíblica de que “Deus é o criador do universo” está na base de toda a fé cristã. E toda a narrativa bíblica se estrutura nessa verdade. Reafirmar isso é relevante pois alguns leitores, pelo fato de o texto Os Dias da Criação não defender uma leitura literal de Gênesis 1, podem ter ficado com a impressão de que a narrativa da primeira página da Bíblia seja apenas uma obra de ficção, uma poesia, fruto da imaginação do autor. Pensar assim seria um grande equívoco.   

Gênesis é o primeiro livro de uma obra de cinco volumes do profeta Moisés. Essa coleção desses primeiros livros da Bíblia recebe o nome, entre os judeus, de Torá. Moisés os escreveu, não por causa de sua genialidade literária, mas devido às suas experiências e seu relacionamento com o Criador, que apareceu a ele e lhe revelou mistérios inefáveis (Êxodo 3). Por essa razão o que consta desses livros é tido, não como invenções humanas, mas como Palavra de Deus.

Depois dos apóstolos, que andaram com Deus, na pessoa do Filho, por três anos, Moisés foi o profeta que mais teve experiências profundas com o Criador.  Em Êxodo está registrado: “Disse Deus ainda a Moisés: ‘Eu sou o SENHOR. Apareci a Abraão, Isaque e Jacó como Deus todo-poderoso, mas pelo meu nome, o SENHOR, não me revelei a eles’” (6.2). Deus, porém, revelou seu próprio nome a Moisés (Êxodo 3.13-15). Êxodo 33.11 também traz a seguinte menção: “O SENHOR falava com Moisés face a face, como quem fala com um amigo...” 

Desse modo, Gênesis 1 se reveste de grande relevância. A primeira página da sagrada Escritura trata sobre a criação do mundo por Deus. Não é um texto científico que descreve como Deus criou o universo, mas é Revelação escrita de Deus à humanidade, onde Ele se mostra como o Criador. Observa-se, nesse ponto, a natureza transcendental do texto. Não é uma produção religiosa, humana, mas, antes, Revelação divina. Seu objetivo é lançar o fundamento de que tudo o que existe é obra divina. Ele é o soberano da criação (Apocalipse 3.14). Por isso mesmo, o texto começa afirmando: “no princípio Deus criou os céus e a terra” (1.1). 

Essa afirmação inicial da Escritura sagrada de que o Universo é criação divina ecoa em toda a extensão bíblica. Em Jó, por exemplo, Deus fala: “onde você estava quando eu lancei os alicerces da terra?” (38.4). Já o Apóstolo Paulo afirma que ela, a criação, foi afetada pelo pecado original. Ela está enferma, decadente e aguarda, com expectativa, o momento da restauração total da humanidade pela obra de Cristo (Romanos 8.19-23). João, na sala do trono de Deus, vê seres adorando-o, nesses termos: “Tu Senhor e Deus nosso, és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque criastes todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas” (Apocalipse 4.11). A sagrada Escritura termina falando de “um novo céu e uma nova terra”, isto é, a criação restaurada (Apocalipse 21.1).

Assim, é preciso que se diga que Gênesis 1 é legítima Palavra de Deus, escrita, porém, no estilo literário da poesia hebraica. A Escritura sagrada foi redigida, utilizando vários gêneros literários, entre eles, a poesia. Quão belo é que a Bíblia começa com a poesia da criação! Segundo os comentaristas da Bíblia Nova Versão Internacional 40% do texto do Antigo Testamento é poesia [1]. A verdade nem sempre está no sentido literal. O livro de Apocalipse que traz a mensagem da vitória de Deus sobre o mal está escrito em um gênero altamente simbólico. Jesus também ensinou muito por parábolas. 

Se o texto da criação do mundo só pode ser interpretado literalmente, então é preciso reconhecer que Deus se cansou depois de seis “dias” de atividades de criadora (Gênesis 2.1). No entanto, o Profeta Isaías diz: “será que você não sabe? Nunca ouviu falar? O SENHOR é o Deus eterno, o Criador de toda a Terra. Ele não se cansa nem fica exausto; sua sabedoria é insondável” (40.28). É claro que o bom leitor vai entender o sentido de “descansou” como não tendo mais nada a criar. Por essa razão e outras, é preciso humildade diante da Escritura. Ela é sagrada. Deve ser lida sob oração e com a ajuda do Espírito Santo. 

[1] NVI, Bíblia. São Paulo: Ed Vida, 2003, p.8

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré