Pular para o conteúdo principal

O AMOR AO PRÓXIMO




Uma das marcas mais forte desse mundo, em que vivemos, é a violência. Sua origem remonta ao início da nova realidade de existência que se instaurou após a Queda; após o ser humano, em uma decisão pessoal, afastar-se de Deus (Gênesis 3). Já nas primeiras páginas da Bíblia, observa-se a narrativa do primeiro homicídio, em que um irmão, premeditadamente, mata o outro (Gênesis 4). Depois, em toda a extensão do Antigo Testamento, observa-se a agressão de pessoas contra pessoas e nações contra nações.

Daquela época até aos dias atuais, a guerra esteve sempre presente na humanidade. O desejo de controlar e subjugar o outro levou o homem à formação de grandes impérios que, posteriormente, enfrentaram-se na busca do poder mundial. Milhões de vidas se perderam em campos de batalhas ao longo da História. A humanidade jamais viveu um período longo de paz. O homem desenvolveu sofisticados métodos e artefatos de guerra que, hoje, pode, se ele desejar, destruir o planeta com o uso do arsenal nuclear disponível em poucas nações [1]. 

Mas a violência contra o próximo constitui grave pecado. “Como o homem é feito à imagem de Deus, todo ser humano é digno de honra e de respeito; não deve ser assassinado (Gênesis 9.6) nem amaldiçoado (Tiago 3.9)” [2]. Note que a Bíblia especifica não, apenas, a agressão física, mas também a feita por palavras. Muitas pessoas, mesmo cristãs, não percebem o erro que cometem ao agredir o outro com falsos testemunhos, atitudes desrespeitosas e palavras ofensivas. 

Com relação a isso, Jesus falou que “qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento...” Qualquer que chamar o outro de “raca”, isto é “cabeça-oca” [3] pode ser levado ao tribunal e “qualquer que disser: “louco” corre o risco de ir para o fogo do inferno” (Mateus 5.22). Para Ele essas ofensas, aparentemente simples, constituem agressões graves, de tal modo que Ele orientou que se alguém estiver no altar para entregar sua oferta, deve antes se reconciliar com a pessoa que ofendeu e, só depois, retornar e entregar a oferta (Mateus 5. 23,24). 

Os judeus, da época de Jesus, achavam que amavam a Deus, pois procuravam cumprir as 613 regras que compilaram da Lei de Moisés [4]. Foi nesse contexto que um mestre da Lei perguntou a Jesus qual era o mais importante mandamento. Jesus respondeu a resposta que o mestre espera ouvir, ou seja: o maior mandamento é amar a Deus sobre todas coisas. Mas Ele, imediatamente, acrescentou que o segundo maior é “ame o seu próximo como a si mesmo” (Marcos 12.28-33). O Apóstolo João também falou sobre isso. Ele disse: “quem afirma estar na luz, mas odeia seu irmão, continua nas trevas” (1João 2.9). 

Estamos, misteriosamente, ligados ao outro. Percebemos isso quando nos constrangemos, e até sofremos, com o sofrimento do outro. Por essa razão, diminuímo-nos, na mesma medida, que diminuímos o outro que ofendemos. É como se fizéssemos parte do outro, pois precisamos dele para sermos nós mesmos. A mãe se sente mãe no filho, o professor se percebe professor no aluno, o médico se entende como médico no paciente. Por isso a relação entre as pessoas deve ser temperada com amor. João disse: “amemos uns aos outros, pois o amor procede de Deus. Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus” (1João4.7). Assim, se somos zelosos com os aspectos de nossa fé, mas odiamos ou ofendemos o outro, ainda não aprendemos o básico do que significa ser cristão.

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

[1] MAIA, Antônio. O Homem em Busca de Si. Amazona.com.br, posição 1046

[2] Comentaristas da Bíblia Nova Versão Internacional. São Paulo: Ed Vida, p.8

[3] Comentaristas da Bíblia Nova Versão Internacional. São Paulo: Ed Vida, p.1624, 1625

[4] Comentaristas da Bíblia Nova Versão Internacional. São Paulo: Ed Vida, p.1703



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré