Pular para o conteúdo principal

NOS CRIASTES PARA VÓS



Santo Agostinho (354-430), teólogo e filósofo cristão africano, em sua obra Confissões, disse que procurou a felicidade e o sentido da vida nas paixões humanas. Mas isso só lhe trouxe angústia e aflição a ponto de considerar-se “um lugar de infelicidade, onde não podia permanecer... mas de onde não podia afastar-se” [1]. Depois de muita busca e luta interior, encontrou-se com Deus e pôde, então, declarar: “nos criastes para Vós e o nosso coração vive inquieto enquanto não repousar em Vós” [2].

A experiência dele é a de todos nós, pois o homem é um ser voltado para Deus. A Arqueologia e a História atestam que a expressão religiosa é um traço característico da humanidade, observado até nas culturas e povos mais antigos. Mesmo na sociedade científica e tecnológica de hoje, nota-se esse fenômeno. Há religião por toda parte, onde quer que se ande e, às vezes, inúmeras numa mesma área geográfica [3]. 

Mas esse exorbitante número de religiões não significa que o homem ande com Deus. Ao contrário, é uma evidência de que ele se encontra perdido e separado do Criador. As múltiplas visões divinas, esboçadas nas crenças religiosas, mostram que ele não o conhece, mas que carrega, no íntimo, alguma coisa que o faz lembrar de seu Criador. É como se o homem sentisse saudade de Deus e desejasse reencontrar-se com Ele. Algo, no íntimo do ser humano, atrai-o à Divindade. 

Por mais realizado e pleno que se sinta, o ser humano percebe que algo, ainda, lhe falta. E esse algo é Deus. A ausência de Deus, no homem, impele-o a desejá-lo para que se torne completo. Ele não consegue ser feliz longe do amor e da presença de seu Criador. A sagrada Escritura diz: “Deus é amor” (1João 4:16). Em Jeremias, Ele disse aos judeus: “com amor eterno eu te amei; por isso, com benignidade te atraí” (31.3). Foi esse amor que o levou a entrar na humanidade, por meio do Filho, e doar-se na cruz em favor do homem.

Por essa razão, a religiosidade é uma das marcas mais forte do homem, após o pecado original. Como o homem tem origem em Deus, o ser de Deus o atrai. Assim, perdido, mesmo em meio a todo o ativismo e materialismo, o homem sente fome de Deus e o deseja tanto a ponto de criar religiões ou buscar, como deuses, as riquezas, a fama e o poder. Mas essas coisas, no fundo, só lhe trazem inquietação e angústia, pois seu coração, como disse Agostinho, só alcança a paz quando repousa no Criador. E isso ocorre por meio da fé no Filho de Deus.  

Antônio Maia – M.Div

Direitos autorais reservados

[1] AGOSTINHO, Santo. Confissões. Petrópolis: Ed Vozes, 2011, p.84

[2] AGOSTINHO, Santo. Confissões. Petrópolis: Ed Vozes, 2011, p.25

[3] MAIA, Antônio. O Homem em Busca de Si. Site: amazon.com.br


https://www.amazon.com.br/HOMEM-EM-BUSCA-SI-REFLEXÕES-ebook/dp/B074WGD2VB/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&keywords=O+homem+em+busca+de+si&qid=1583978331&sr=8-1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré