Pular para o conteúdo principal

EM BUSCA DE SI


Apresento aos amigos leitores do blog um trecho do meu livro (ebook), publicado na amazon.com.br, O Homem Em Busca de Si - Reflexões Sobre a Condição Humana na Parábola do Filho Pródigo.

Desterrado de seu mundo original, o homem procura, desesperadamente, encontrar-se. Ele não sabe o que ou quem ele é, sente-se “uma síntese de infinito e de finito, de temporal e de eterno, de liberdade e de necessidade... não é apenas uma simples criatura animal... mas também um espírito”[1]. Esta é a complexa natureza do homem: matéria unida a um espírito e, ainda mais, um espírito caído.

Por causa da Queda, o ser humano é um ser disforme, uma síntese de trevas e luz, de ódio e amor, de violência e mansidão, de profano e santo. É uma obra de arte deteriorada. É belo, mas o dano que há nele rouba a sua glória. Essa indefinição o torna incompreensível a si mesmo e, por isso, procura definir-se em um eu de sua criação. 

Blase Pascal, em sua obra Pensamentos, escreveu: “a criatura humana não passa de um tecido de contradições, mistura indissolúvel de baixeza e grandeza, um ser digno, ao mesmo tempo, de desprezo e de amor e honra. Um ser eternamente em conflito consigo mesmo...”[2].

Seria essa uma visão negativa do ser humano? Não, é a realidade pós-Queda, o efeito de sua separação daquele que o criou. O Apóstolo Paulo, ao escrever aos Romanos, disse: “não há nenhum justo, nem um sequer ... pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus...” (Romanos 3.10,23).

É fato que o ser humano olha para si e vê que o seu eu é indefinido, um misto de corrupção e perfeição. Então, procura recriar-se em um novo eu que lhe traga a felicidade. Isso vai envolver a formação de uma imagem agradável a si mesmo e aos outros, assim como o desempenho de papéis que lhe confiram admiração, reconhecimento e sentido para a vida. 

Pascal explicou essa necessidade humana: “não nos contentamos com a vida que temos em nós e em nosso próprio ser; queremos viver uma vida imaginária na imaginação dos outros e, para tanto, esforçamo-nos em fingir. Trabalhamos incessantemente para conservar e embelezar nosso ser imaginário, negligenciando o verdadeiro ... a grande marca do vazio de nosso próprio ser é não estar satisfeito com um sem o outro e trocar muitas vezes um pelo outro”[3].



[1]    KIERKGAARD, Sören. O Desespero Humano. Ed Martin Claret, São Paulo - SP, 2001, p.19,57
[2]    PASCAL, Blaise. Pensamentos. Ed Abba Press, São Paulo, 2002, p.25
[3]     PASCAL, Blaise. Pensamentos. Ed Abba Press, São Paulo, 2002, p.86
https://www.amazon.com.br/HOMEM-EM-BUSCA-SI-REFLEXÕES-ebook/dp/B074WGD2VB/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&keywords=O+homem+em+busca+de+si&qid=1572028199&sr=8-1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré