Pular para o conteúdo principal

O DEUS ABSCÔNDIDO




Um breve olhar sobre a humanidade e logo se observa que ela se encontra imersa em um profundo processo de dor, sofrimento e angústia. Há, no mundo, guerras, rumores de guerras, fome, doenças e catástrofes. Alguém pode perguntar: “onde está Deus?”. Até mesmo, entre os cristãos, mesmo entre os que vivem uma vida de devoção, em certos momentos de dor e sofrimento, sentem uma ausência e um silêncio de Deus. Como entender isso? Estará Ele alheio ao sofrimento humano?

De fato, o Antigo Testamento trata, com frequência, sobre o ocultamento de Deus. Smith (2001, p.99) afirma que há trinta e duas referências que falam que Deus esconde o rosto, os olhos, os ouvidos e que Ele se oculta. O Salmo 10:1, por exemplo, diz: “Senhor, por que estás tão longe? Por que te escondes em tempos de angústia?”. Já Isaías afirma: “verdadeiramente tu és um Deus que se esconde, ó Deus e salvador de Israel” (45:15). Esse ocultamento “refere-se principalmente à sua inatividade em favor de seus adoradores e ao fato de Deus não responder às orações deles” (SMITH, 2001, p.100).

Realmente, não compreendemos o agir de Deus. Mesmo após sua revelação aos profetas e por meio do Filho, isto é, Jesus Cristo, Ele permanece um mistério. Atkinson (2009, p.295) diz que “o Deus revelatus ainda permanece um Deus velatus. Moisés, Jacó, Jó, os salmistas e os profetas mostram-se, todos, conscientes do fato de Deus ser “oculto”, mesmo em seu ato de se revelar”. Ele nunca se mostra em sua real natureza, em sua essência, pois é indiscernível à mente caída. João, em seu Apocalipse, sobre Ele só conseguiu dizer: “o que está assentado no trono...”. Deus é indescritível.

De acordo com Jó, Deus está além de nossa compreensão (37:23) e Isaías fala de nossa incapacidade de compreender os seus pensamentos (55:8,9). Só o compreendemos a partir de nós mesmos, eis porque se encontra uma linguagem antropomórfica (a mão, o rosto, os olhos, o ouvido de Deus) na Bíblia. Por essa razão, Ele se revelou em forma humana, no Filho. Mas mesmo nesse gesto, “Deus não nos oferece dom menor do que ele mesmo. Essa é a suprema revelação, em que o Deus oculto é revelado. ‘Quem me vê a mim, vê o Pai’” (ATKINSON, 2009, p.296).  

Ao par disso, com respeito ao sofrimento, no mundo, este é inerente ao caminho que o homem pegou ao afastar-se de Deus. O projeto do homem caído é um mundo sem Deus. Em sua loucura ele diz: não há Deus, mas isso tem um preço: dor, angústia e finitude. Contudo, em momentos de angústia ele se lembra do Criador, mas só ouve um grande silêncio. Sua própria condição de queda o impede de ouvi-lo. Mas Ele não deixou a humanidade à mercê de seu destino, antes, em Cristo, estabeleceu um caminho de volta à sua condição original de perfeição. 

Mas esse ocultamento também se observa entre muitos que se dizem cristãos que, buscando seus próprios planos, pensam que podem domesticar Deus. Ele, contudo, “não é prisioneiro de pensamentos humanos ou cativos de seus esquemas”. No entanto, mesmo entre fiéis piedosos o ocultamento de Deus ocorre, talvez porque seja preciso que eles trilhem sozinho certos caminhos. Jesus, na cruz, por exemplo, sentiu esse ocultamento do Pai a ponto de clamar “Meu Deu! Meu Deus! Por que me abandonaste?” (Mateus27:46).  

Embora esse aspecto do Ser de Deus, o seu ocultamento, a Escritura revela que Ele é sublime e amoroso, e a todos atrai. O que faz, por exemplo, os anjos permanecerem continuamente, diante dele, em adoração? Ao mesmo tempo em que Ele é um Deus que se oculta, é um Deus que se revela. Mas o caminho até a sua presença, à sua percepção passa pelo coração, pelo imaterial, pelo ilógico, pela fé. Ele falou as seguintes palavras para um profeta que experimentou o seu ocultamento, em alguns momentos: “clame a mim eu lhe responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece”. 

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados 

ATKINSON, J. Novo Dicionário de Teologia. São Paulo: Hagnos, 2009 

SMITH, Ralph L. Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2001


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré