Pular para o conteúdo principal

O QUE É O HOMEM?



“Quando contemplo os teus céus, obras dos teus dedos, a lua e as estrelas que ali firmaste, pergunto: que é o homem para que com ele te importes? E o filho do homem, para que com ele se preocupes?” (Salmo 8:3,4). Esses versos da literatura sapiencial dos hebreus mostra o espanto do ser humano ao tomar consciência de si ante à imensidão do universo. Essa percepção o leva a descobrir o mistério de si mesmo e a formular a grande questão da humanidade: “que é o homem?”. Através dos séculos o homem tem tentado respondê-la, mas sem sucesso. Ainda hoje, o homem é um mistério para ele mesmo. Não sabe o que é, qual a sua origem e o seu destino, qual a razão de sua existência.

Por dois milênios e meio, a Filosofia estudou essa questão, até que, em meados do século XX, por não chegar a uma conclusão, o filósofo francês, existencialista, Jean Paul Sartre afirmou que, no tocante ao homem, “a existência precede a essência” [1]. Isto é: o ser humano é “um ser que existe antes de ser definido por algum conceito... o homem nada é além do que ele se faz”. Para esse filósofo o ser humano é um projeto de si mesmo e não nasce com uma essência, pois não há um Deus para conferi-la. 

Sartre fala isso porque é cidadão da Europa livre e democrática. Contudo, uma pessoa que nasce em uma ditadura ou país fechado, que impõe à sua população uma religião, dificilmente ela será um projeto de si mesmo ou será aquilo que gostaria de ser. Muitas pessoas, também, já nascem com problemas de saúde ou defeitos físicos que as impedem de serem o que gostariam de ser. O homem caído não é livre. Quando não é prisioneiro de contingências da vida, é prisioneiro de suas paixões. Logo o mistério do homem permanece.

A ciência constitui outro meio pelo qual o homem procura entender seu ser e a razão de estar no mundo. Para ela o ser humano nada mais é que um produto da evolução da matéria no tempo. Mas essa é uma resposta pouco satisfatória, pois a ideia evolucionista ainda não ultrapassou o status de teoria. Ainda não há provas de que a vida tenha se originado a partir da matéria inerte, não viva, ou de uma célula inicial resultante de reações químicas espontâneas e aleatória (abiogênese). Isso requereria um milagre tão extraordinário quanto o que afirma o texto bíblico. É relevante lembrar que a ciência nunca observou a abiogênese acontecendo, na natureza, nem foi capaz de criar uma forma de vida por meio de experimentos controlados. 

“O fato de os seres vivos apresentarem semelhanças morfológicas, bioquímicas e genéticas não implica, obrigatoriamente, que eles tenham vindo de um ancestral comum. Isso envolveria uma “evolução acima do nível de espécie”, um processo, puramente, teórico e nunca observado diretamente. Seria algo como um macaco evoluir para um ser humano. Tal hipótese é estudada, apenas, por meio da análise de fósseis e de pesquisas sobre semelhanças e diferenças na morfologia dos organismos, estudos esses incipientes, frágeis e com conclusões pouco precisas” [2]. 

Mas quando o salmista faz a pergunta “que é o homem?”, ele não a faz por desconhecimento. Ele sabe muito bem o que é o homem, sua origem, seu destino e sua razão de estar no mundo. Ele a faz como forma de exaltação a Deus, que embora sendo o Criador de todas as coisas, importa-se com o ser humano. Para o salmista não há dúvida: o homem tem origem em Deus e foi feito “pouco menor que os anjos”, com glória e honra e o domínio sobre toda a criação (Gênesis 1:26; Salmo 8:5-8).

O Apóstolo Paulo também entende o homem como o salmista. Ele afirma que Deus criou o homem para ser santo e irrepreensível em sua presença “para o louvor da sua glória” (Efésios 1:4,12,14). Desse modo, o homem só se explica na pessoa de Deus, pois segundo texto sagrado foi criado “a imagem e semelhança” dele (Gênesis 1:26). Todo esse questionamento sobre “o que é o homem?” ocorre porque ele está separado de seu Criador. Longe de Deus, por causa do pecado, o homem se sente um estranho na imensidão do mundo. Só quando ele se volta para Deus e se reencontra com Ele, por meio de Cristo, encontra-se consigo mesmo e descobre a verdade sobre si. 

Falando sobre a condição humana, o Apóstolo Paulo disse: “antes vocês estavam separados de Deus e, na mente de vocês, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês. Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livre de qualquer acusação...” (Colossenses 1:21,22). De acordo com a sagrada Escritura, o ser humano foi criado para andar com Deus, pois só nele o homem se define.

Antônio Maia M. Div.

Direitos autorais reservados

[1] SARTRE, Jean Paul. O Existencialismo é Um Humanismo. Petrópolis-RJ: Vozes. 2012 

[2] MAIA, Antônio. O Homem Em Busca de Si – Reflexões Sobre a Condição Humana na Parábola do Filho Pródigo. amazon.com.br



https://www.amazon.com.br/HOMEM-EM-BUSCA-SI-REFLEXÕES-ebook/dp/B074WGD2VB/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&keywords=O+homem+em+busca+de+si&qid=1582330694&sr=8-1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré