Pular para o conteúdo principal

HÁ AMOR NOS JUÍZOS DIVINOS

 


Em geral vemos as coisas, as situações e o mundo a partir de perspectivas que adquirimos ao longo da vida. Por isso, um determinado fato pode receber diversas interpretações. Contudo, nem sempre nossos juízos de valor correspondem à realidade, pois as coisas e as situações possuem sentidos próprios e intrínsecos a despeito das opiniões e visões que recebem. 

Como entender as pragas permitidas por Deus sobre o Egito? Elas transformaram a maior potência econômica e militar da época num país arrasado. E o que dizer da última praga? Diz o texto: “então, à meia-noite, o SENHOR matou todos os primogênitos do Egito, desde o filho mais velho do faraó, herdeiro do trono, até o filho mais velho do prisioneiro que estava no calabouço, e também todas as primeiras crias do gado” (Êxodo 12.29). Teria Deus prazer no sofrimento humano? Seria Ele mal?

No livro do profeta Naum está escrito: “o SENHOR não deixará impune o culpado” (1.3). O mal não prevalecerá nem ficará impune. Aceitar isso significa ver essa questão a partir da perspectiva divina e não nossa. O Egito representava o típico mundo criado pelo homem após a Queda. Nele, eram adorados muitos deuses, mas não o Criador; e o ser humano era reduzido mero objeto de exploração como escravo. Naqueles juízos, Deus mostrou ao mundo que o sistema humano, estabelecido após o homem afastar-se do Criador, não se perpetuará, mas terá um fim. Deus restaurará sua Criação, que foi deteriorada pelo pecado.

Uma reflexão mais acurada vai mostrar que naquelas pragas, naqueles juízos divinos, havia amor. O amor estava no fato de que ao mesmo tempo que a dor vinha sobre os egípcios; a salvação vinha sobre os judeus. Há amor nos juízos divinos. É preciso entender que para o bem prevalecer, o mal precisa ser extirpado. Conclui-se, então, que o amor envolve certa dose de sofrimento. Mas este decorre não por vontade divina, mas por causa da condição humana de decadência. Não precisava chegar ao décimo juízo; só chegou por causa da obstinação do Faraó.

A narrativa bíblica contém exemplos de juízos divinos para eliminar o mal. O dilúvio veio sobre a humanidade para depurá-la, pois o mal havia se generalizado. Israel foi levado para o cativeiro babilônico para que não se extinguisse nas práticas da religião dos cananeus. O Apocalipse virá com seus juízos para por fim a este sistema mundial, marcado pelo pecado e pela idolatria, e estabelecer uma nova ordem em que Ele mesmo viverá com os homens. E o que dizer do sacrifício do próprio Deus, na pessoa do Filho, em favor do homem, livrando-o da condenação da morte eterna?

Brunner (2010, p.301), em sua Dogmática, fala dessa “tensão dialética entre a Ira e a Misericórdia” de Deus. Ele escreve:

Mesmo no inferno, Deus está presente, não como o Deus revelado em Jesus Cristo como Amor, mas em sua ira, que é um Fogo Consumidor. Onde Jesus Cristo está, ali está a Luz e a Salvação; onde a Luz e a Salvação não estão presentes, Jesus Cristo não está presente. Mas Deus ainda está ali, como o Deus de Ira: “Aquele que crer no Filho tem a vida eterna: e aquele que não crer no Filho não verá a Vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (João 3:36) (BRUNNER, 2010, p. 298).

Esse aspecto do ser de Deus pode ser difícil para o homem entender e aceitar, pois o ser humano caído tem suas visões sobre Ele e vive a ilusão de querer domesticá-lo. Brunner (2010, p.299), no entanto, destaca que “o mistério de Deus não é exaurido pelo Filho”. “Esta liberdade de Deus, para efeito de salvação e juízo, luz e trevas, vida e morte, é o inescrutável mistério de Deus, que mesmo na revelação do Filho permanece um mistério”.

Antônio Maia - M.Div.

Direitos autorais reservados

BRUNNER, Emil. Dogmática – Vol 1, Doutrina Cristã de Deus. São Paulo: Fonte Editorial, 2010



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré