Pular para o conteúdo principal

ISRAEL COMO INSTRUMENTO DA REVELAÇÃO DIVINA

 



Após o pecado adâmico, a humanidade se separou de Deus e com o passar do tempo não mais o conhecia. Ele, então, separou um povo para com ele relacionar-se e revelar-se ao mundo. Por volta da metade do segundo milênio antes de Cristo, esse povo, Israel, encontrava-se escravo no Egito, maior potência econômica e militar da época. Assim, segundo os registros do livro de Êxodo, Deus apareceu a Moisés e o ordenou que comparecesse perante o Faraó para intermediar a liberação do povo. 

Que argumento seria tão forte para que o líder egípcio abrisse mão dessa valiosa mão de obra escrava, os judeus? Deus disse a Moisés que falasse o seguinte ao Faraó: “deixe o meu povo ir para celebrar-me uma festa no deserto”. Depois, Moisés esclareceu que era para permitir o povo caminhar três dias, no deserto, para oferecer sacrifício ao SENHOR. Deve ter parecido ao Faraó um escárnio o que Moisés lhe falara, pois ele respondeu: “quem é o SENHOR, para que eu lhe obedeça e deixe Israel sair? Não conheço o SENHOR, e não deixarei Israel sair” (Êxodo 5.2). 

Este é o cerne dessa passagem das Escrituras (as pragas do Egito): a revelação de Deus à humanidade. Muito tempo já havia se passado, desde Adão, e os povos não tinham mais conhecimento de Deus, o Criador de todas as coisas. Havia muitos deuses no mundo, fruto da imaginação e do desejo humano por Ele. YHAWEH, então, vai usar a libertação de Israel do cativeiro egípcio para se apresentar aos homens: “os egípcios saberão que eu sou o SENHOR”. Mas só palavras não convencerão o Faraó, por isso disse Ele a Moisés: “porei a minha mão sobre o Egito, e com poderosos atos de juízos tirarei Israel...” (Êxodo7.4).

Assim, por meio de seus juízos, as pragas, Deus revelou-se ao mundo, mostrando que os deuses egípcios nada eram. O rio Nilo, adorado como o deus Hapi teve suas águas transformadas em sangue; as rãs, adoradas como a deusa Hect que, segundo eles, ajudavam as parturientes, tornaram-se repugnantes devido sua infestação sobre todo o Egito. Os touros, adorados como os deuses Apis e Mnevis, foram todos mortos. O sol, adorado como o deus Rá foi ultrajado, pois não brilhou por três dias, devido a densas trevas que vieram sobre o Egito.

Assim, mediante as palavras de Moisés essas pragas aconteceram e os egípcios viram que seus deuses nada podiam diante do SENHOR. Mas o golpe mais duro foi a morte de todos os primogênitos egípcios, inclusive o filho mais velho do Faraó. Este, considerado divino, não pode deter o poder das palavras proferidas por Moisés. O Egito foi devastado pela mão de Deus e, depois desse juízo, Israel foi liberado. Como entender essa ação divina sobre o Egito? E o que dizer da morte dos primogênitos? Teria Deus prazer no mal? Como entender essa questão?  

Antônio maia - M.Div.

Direitos autorais reservados 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré