Pular para o conteúdo principal

A GÊNESE DA FÉ NO HOMEM

 


Como nasce a fé no homem? Essa é uma questão relevante, pois só por meio da fé em Cristo o homem pode religar-se a Deus. E esse ensino de que só a fé na morte e ressureição do Senhor restaura o homem à sua condição inicial de antes do pecado original não é só dos apóstolos e outros autores do Novo Testamento, mas do próprio Cristo. Jesus disse: “porque a vontade de meu Pai é que todo aquele que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia” (João 6:40).

Essa palavra de Jesus é interessante porque ela dá a entender que alguém pode olhar para Ele e não crer. É fato que todos que estão envolvidos na obra de evangelização sabem que a maioria dos que ouvem o evangelho, simplesmente, não creem. O próprio Jesus nessa passagem do evangelho de João disse: “...como eu lhes disse, vocês me viram, mas ainda não creem...” (João 6:36). Essas pessoas tinham visto Jesus operar o milagre de multiplicar “cinco pães e dois peixinhos” em uma quantidade suficiente para alimentar uma multidão, mas, mesmo assim, não creram nele (João 6:1-15).

Como, então, nasce a fé no homem? Em João 6, Jesus mostra que a fé nasce, no homem, por uma ação do próprio Pai. Ele disse: “todo aquele que o Pai me der, virá a mim... E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu...” (37,39). Parece que Deus toma para si alguns e os envia para o Filho. Mais à frente, no texto, Jesus disse: “ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu o ressuscitarei no último dia” (44). Só vai crer aquele que antes for atraído pelo Pai. Em sua oração sacerdotal, Ele disse: “Pai, quero que os que me deste estejam comigo onde estou e vejam a minha glória...” (João 17:24)

De acordo com Jesus, o Pai trabalha no íntimo de alguns e os envia para Ele. Citando Isaías, o Senhor disse: “todos serão ensinados por Deus. Todos que ouvem o Pai e dele aprendem vêm a mim” (45). Deus escolhe alguns e os ensina pelas circunstâncias da vida e outros meios, quebrando-os e preparando-os para receber a fé que salva. Escrevendo aos Efésios, Paulo disse: “vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus” (2:8).

A fé, então, não é uma conquista humana, o resultado de uma compreensão intelectual do evangelho. Os cristãos sabem que há muitos teólogos, sacerdotes e pessoas que se dizem cristãs, mas que não têm certeza de sua salvação e não passaram pela experiência do novo nascimento. A gênese da fé, desse modo, é parte do processo divino de criação de uma nova humanidade em Cristo. Aos Efésios, Paulo disse: “porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus... (2:10). Assim, a fé, nasce, no homem, por uma ação da Trindade. Só vai a Jesus aquele o Pai mandar e só se chega a Deus por meio de Jesus.  

Mas, o que dizer da frase paulina que diz: “a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo” (Romano 10:17)? Observa-se, nessa afirmação, uma aparente relação de causa e efeito. Ou seja, quanto mais se prega a Palavra, mais fé haverá. Contudo, o homem caído está morto, espiritualmente, e não pode responder ao chamado do evangelho (Efésios 2:1; Mateus 8:21,22). Mas o que Paulo está falando é sobre a necessidade da evangelização, pois ninguém sabe quem está preparado, pelo Pai, para crer em Cristo pela pregação do evangelho. O próprio Paulo diz: “e como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não há quem pregue?” (Romanos 10:14).

Há muitas técnicas humanas para encher uma igreja de pessoas. Contudo, a missão não é encher templos, mas pregar o evangelho. Sobre isso, Jesus alertou a respeito da presença de joio no meio do trigo, isto é, pessoas não transformadas na Igreja (Mateus 13:24-30). Ele também falou: “nem todo aquele que me diz “Senhor, Senhor”, entrará no Reino dos céus... Muitos me dirão, naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome?... e não realizamos muitos milagres? Então eu lhes direi claramente: nunca os conheci” (Mateus 7:21-23). Observe que a questão não é se eu aceito ou não a Cristo, mas se Cristo me aceita. Nesse ponto, convém lembrar a seguinte palavra de Cristo: “...Ninguém sabe quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém sabe quem é o Pai, a não ser o Filho e aqueles a quem o Filho o quiser revelar” (Lucas10:22).

Deus, Ele próprio, em Cristo, está formando uma nova humanidade. O que fazer, então, para herdar o Reino de Deus? Em João 6, perguntaram a Jesus: “o que precisamos fazer para realizar as obras que Deus requer? Jesus respondeu: ‘a obra de Deus é esta: crer naquele que ele enviou’” (28,29). Ninguém é merecedor e nada se pode fazer para herdar a salvação, a não ser crer em Cristo. Ore a Ele: “Senhor, ajuda-me crer. Não sou digno, mas quero andar contigo. Reconheço que sou pecador. Perdoa-me”. Paulo, aos Romanos, disse: “se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer, em seu coração, que Deus o ressuscitou dentre os mortos será salvo” (10:9). Faça isso e descanse, isto é, confie no que você acabou de fazer. Isso é fé em Cristo. E, agora, viva de acordo com a Palavra de Cristo. 

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré