Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de agosto, 2015

NOS CRIASTES PARA VÓS

Santo Agostinho (354-430), teólogo e filósofo cristão africano, em sua obra  Confissões , disse que procurou a felicidade e o sentido da vida nas paixões humanas. Mas isso só lhe trouxe angústia e aflição a ponto de considerar-se “um lugar de infelicidade, onde não podia permanecer... mas de onde não podia afastar-se” [1]. Depois de muita busca e luta interior, encontrou-se com Deus e pôde, então, declarar: “nos criastes para Vós e o nosso coração vive inquieto enquanto não repousar em Vós” [2]. A experiência dele é a de todos nós, pois o homem é um ser voltado para Deus. A Arqueologia e a História atestam que a expressão religiosa é um traço característico da humanidade, observado até nas culturas e povos mais antigos. Mesmo na sociedade científica e tecnológica de hoje, nota-se esse fenômeno. Há religião por toda parte, onde quer que se ande e, às vezes, inúmeras numa mesma área geográfica [3].   Mas esse exorbitante número de religiões não significa que o homem ande com Deus. Ao co

FÉ E RAZÃO EM BLAISE PASCAL

Foi na primeira metade do século XVII que surgiu a figura do importante matemático francês e filósofo cristão Blaise Pascal (1623-1662). Embora fosse um homem de ciência, não se envergonhava de posicionar-se como cristão diante da sociedade de sua época. A Europa, de então, encontrava-se dominada pelos pensamentos racionalistas e empiristas inaugurados, respectivamente, por René Descartes (1596-1650) e Francis Bacon (1561-1626). Descartes (1596 - 1650), considerado por muitos como o fundador da Filosofia Moderna, revolucionou o pensar filosófico com sua obra O Discurso do Método. Nela, esse filósofo   afirma que se propôs a buscar “o verdadeiro método para chegar ao conhecimento de todas as coisas”. Seu método, que era constituído por quatro preceitos que ele os chamou de “cadeias de razões”, era fundamentado, unicamente, na razão (DESCARTES, 2017, p.20). Já Bacon (1561 - 1626), junto com Galileu Galilei, assegurou a autonomia plena da Ciência em relação à Teologia e à Filosofia, at