Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de fevereiro, 2018

O HOMEM EM BUSCA DE DEUS

Um breve olhar sobre a humanidade e logo se percebe que o homem é um ser muito religioso. O mundo está repleto de religiões. Elas estão por toda parte e, às vezes, há inúmeras em uma mesma área geográfica ou cultura. Hoje, se encontrássemos um povo perdido na floresta amazônica que nunca teve contato com outros humanos, com certeza veríamos, em sua estrutura social, um sistema religioso. Qual a razão desse fenômeno? Como explicar esse aspecto da natureza humana: sua inclinação para o sagrado, para o divino? É possível que o mito e a religião tenham sido as primeiras manifestações do espírito humano. Provavelmente, ao tempo em que o ser humano criava um, deu origem ao outro. Embora estejam muito interligados, mito e religião são concepções distintas. O mito é uma narrativa simbólica, revestida de religiosidade, que uma cultura desenvolve para explicar certas coisas, como por exemplo, o mundo e a sua origem. Já a religião é uma manifestação de culto, baseada em crenças que podem, ou n

O HOMEM EM BUSCA DE SI

O HOMEM EM BUSCA DE SI Não resta dúvida de que o homem é um ser desorientado e perdido em sua existência. Não sabe de onde vem, nem para onde vai e muito menos por que está no mundo. De acordo com a Bíblia, tal condição se estabeleceu quando, no princípio, o ser humano se afastou de seu Criador. Por essa razão, vive a reformular-se em diversos “eus”, como quem anda em busca de seu eu original. Alguns filósofos cristãos como Santo Agostinho, Blaise Pascal e Soren Kierkegaard refletiram sobre essa questão e podem nos ajudar no desenvolvimento dessa ideia.   Pascal, em sua obra Pensamentos , levantou esse questionamento. Ele escreveu: “quem me colocou aqui? Por ordem e obra de quem este lugar e este momento foram destinados a mim?” [1]. Esse pensador francês afirmou que o homem é “incapaz de ver o nada donde foi tirado e o infinito que o envolve”. Por isso, ele se desespera “por não conhecer nem seu princípio nem seu fim”. E esse conflito interno aumenta quando o homem olha p