Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de fevereiro, 2019

A MORTE DE CRISTO

O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pe

A MORTE NA HUMANIDADE

A morte é o destino inevitável de todas as pessoas. Por que o ser humano morre? De acordo com o livro de Gênesis, um texto de provavelmente três mil e quinhentos anos, o ser humano foi criado para ser eterno, isto é, não passar pela experiência da morte. Nele, há o registro da seguinte fala do Criador ao primeiro homem: “coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá" (2.16,17).  Observe que só morreria se comesse daquela árvore. Assim, originalmente, o homem era um ser magnífico com caráter e compleição superior à atual. Fora criado “à imagem e semelhança” de Deus (Gênesis 1.26) e feito “pouco menor do que os seres celestiais” (Salmo 8.5). O Apóstolo Paulo, ao comentar os efeitos da obra de Cristo no homem caído, falou sobre alguns aspectos da natureza humana original. Ele disse que aquele que recebe Cristo, em sua vida, deve “revestir-se do novo homem, criado para s