Pular para o conteúdo principal

A MORTE NA HUMANIDADE

A morte é o destino inevitável de todas as pessoas. Por que o ser humano morre? De acordo com o livro de Gênesis, um texto de provavelmente três mil e quinhentos anos, o ser humano foi criado para ser eterno, isto é, não passar pela experiência da morte. Nele, há o registro da seguinte fala do Criador ao primeiro homem: “coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá" (2.16,17). 

Observe que só morreria se comesse daquela árvore. Assim, originalmente, o homem era um ser magnífico com caráter e compleição superior à atual. Fora criado “à imagem e semelhança” de Deus (Gênesis 1.26) e feito “pouco menor do que os seres celestiais” (Salmo 8.5). O Apóstolo Paulo, ao comentar os efeitos da obra de Cristo no homem caído, falou sobre alguns aspectos da natureza humana original. Ele disse que aquele que recebe Cristo, em sua vida, deve “revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus” em justiça, santidade e conhecimento (Efésios 4.24; Colossenses 3.9,10). 

Desse modo, o homem, antes da Queda, era eterno, justo, santo e dotado de conhecimento, o que permitia a ele andar na presença de Deus (Gênesis 3.8-21). Ele era eterno porque vivia, em estado de perfeição, segundo a vontade divina. Era justo porque não tinha pecado, e santo por causa de sua condição moral perfeita. O conhecimento que tinha sobre Deus, sobre seu ser e o mundo lhe imprimia significado à sua existência. O texto de Gênesis 3 mostra também que o homem era dotado de liberdade, em sua semelhança com o Criador, tanto que não seguiu a orientação divina e, agindo por força de sua própria vontade, comeu da árvore proibida. 

Por que o Adão não podia comer da “árvore do conhecimento do bem e do mal”? Porque esse mandamento divino constituía um referencial por meio do qual ele exercia sua liberdade diante de Deus. Obedecê-lo significava viver segundo um discernimento moral que vinha do Criador. Por outro lado, negligenciá-lo indicava ceder à sua própria vontade, colocando-a acima da divina. E isso constituía um risco ao homem, pois ele foi criado para a vida de comunhão com Deus. Só a relação Criador-criatura nutria as condições de vida eterna, justa, santa, livre e com significado. 

Ao desobedecer a Deus, o primeiro homem optou por uma vida autônoma sob um discernimento moral próprio e, assim, veio sobre ele a morte daquele “eu” original. Ele mergulhou em uma nova existência marcada pela dor e sofrimento, pois a relação Criador-criatura se rompeu. Separado de Deus, o espírito humano morreu, sua alma se desorientou e seu corpo entrou em uma trajetória que culmina na morte. Essas três dimensões do homem, que antes existiam integradas, “descolaram-se” uma das outras e entraram em descompasso até sua desintegração total na morte [1]. 

O Apóstolo Paulo, escrevendo aos Romanos sobre essa questão, disse: “portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens” (Romanos 5.12). O entendimento dessa questão da morte abre caminho para a compreensão do mistério de Cristo, que veio ao mundo para libertar o homem da prisão eterna da morte. Paulo escrevendo aos Coríntios, disse: “pois da mesma forma como em Adão todos morrem, em Cristo todos serão vivificados (1Coríntios 15.22). Sim, aqueles que têm sua confiança em Cristo serão ressuscitados, pois Ele ressuscitou, abrindo esse caminho de volta a Deus para o homem. Em Apocalipse 1.18, Ele disse: “eu tenho as chaves da morte e do Hades”. “Hades” é uma palavra de origem grega, correspondente à palavra hebraica “sheol” [2], o lugar dos mortos. 

[1] MAIA, Antônio. O Homem Em Busca de Si. amazon.com.br

[2] Bíblia Nova Versão Internacional, comentada. São Paulo: Ed. Vida, p. 1644

Antônio Maia - M.Div.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré