Pular para o conteúdo principal

DEUS SE REVELOU AO HOMEM



Que saberia a humanidade sobre Deus se Ele não tivesse se revelado? Mesmo antes de Ele começar a aparecer a certos homens, os seres humanos já adoravam deuses de sua própria imaginação (Josué 24.2 e 14). Os sumérios, por exemplo, há cerca de 4 mil anos a.C., cultuavam diversos deuses, dentro de um sistema religioso que os via como maus, depravados e opressores. Separada de Deus pelo pecado original, sem a revelação divina a humanidade teria apenas a idealização de incontáveis divindades, decorrentes do desejo que ela nutre por seu Criador. 

Mas Deus, por seu amor ao ser humano, decidiu a este revelar-se e abri um caminho pelo qual o homem retornaria à sua condição inicial de santidade e comunhão com Ele. Foi quando, por volta do ano 2.000 a.C., o Criador apareceu a Abraão em Harã, na Mesopotâmia, a quem prometeu: “...por meio de você todos os povos da terra serão abençoados” (Gênesis12:3). Da descendência de Abrão, nasceria Jesus Cristo que morreria em favor da humanidade.

De Abraão surgiu Israel, um povo que o Criador separou para com ele relacionar-se e revelar-se. Quinhentos anos depois, Deus se revelou a Moisés (Êxodo 3), com quem teve um relacionamento profundo, cujo registro constitui os cinco primeiros livros da Bíblia, a Torá. Em seguida, ao longo de um milênio, Ele apareceu a certos homens de Israel, trazendo palavras específicas para a nação e outras relativas à humanidade. Contudo, da metade do século V, antes de Cristo, até João Batista, o último profeta, Ele se calou. No nascimento de Jesus Cristo, contudo, Ele se revelou em plenitude, pois esse evento constitui a entrada do próprio Deus no mundo.

Hoje, a humanidade dispõe da Revelação divina, mas vive como na época dos sumérios, adorando milhares de deuses, proclamados nas incontáveis religiões que ela criou. Isso ocorre devido ao fato de a Revelação ter vindo ao mundo numa lógica contrária à humana, de modo que a humanidade a tem, mas não acredita. Ela é loucura para o homem, pois Deus escolheu as coisas insignificantes e desprezíveis deste mundo para nelas se revelar (1Cor 1:18-31).

Veja o que diz o Apóstolo Paulo: “Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes.

Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ninguém se vanglorie diante dele” (1Coríntios 1:27-29). Fazendo assim, Deus tira do homem a capacidade de ele ser salvo por seus próprios esforços. O homem não pode se vangloriar que alcançou a salvação de sua alma. Tanto é verdade que Paulo diz: “visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana, agradou a Deus salvar aqueles que creem por meio da loucura da pregação” (1Coríntios 1:21).

Por essa razão, a Revelação foi dada a um povo escravo no antigo Egito que depois foi dominado por sucessivos impérios mundiais. Jesus Cristo, o Filho de Deus, nasceu numa insignificante província romana, em uma estrebaria e a única vez que entrou num palácio foi para ser torturado e, depois, ser levado à cruz. Desse modo, um manto de improbabilidades, segundo a razão humana, cobre a Revelação divina de modo que ela só pode ser aceita pela fé. A fé, porém, põe o homem na condição de dependência de Deus, algo que ele não aceita, pois quer estar no controle de sua própria vida e, por isso, considera a Revelação divina improvável de ser verdadeira.

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré