Pular para o conteúdo principal

O NOME "JESUS" E OS TÍTULOS "MESSIAS" E "FILHO DO HOMEM"



De acordo com as Escrituras sagradas, o processo de revelação divina à humanidade atingiu seu clímax com a entrada do próprio Deus no mundo (Fp 2.5-8). Isso ocorreu há dois mil anos, quando o Criador se fez criatura e viveu, corporalmente, entre os homens. Hoje, Ele continua entre nós por meio de seu Espírito que habita as mentes e os corações daqueles que se abriram para a fé nele. Nesta postagem quero discorrer sobre o nome dado a Deus em sua encarnação, Jesus, e os títulos Messias e Filho do Homem.


O nome próprio “Jesus” é a tradução para o português do grego Ἰησοῦ (Iêssú), que traduz a palavra hebraica "Iêôshua" (pronúncia aproximada), a qual traduzindo direto para o português é “Josué” e significa “o SENHOR salva”. Era um nome comum à época de Jesus, mas foi o escolhido para designar o Filho de Deus. Isso porque Deus “escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é, a fim de que ninguém se vanglorie diante dele” (1 Co 1.28). E vai ser diante da pessoa majestosa que leva esse nome que todo joelho se dobrará e confessará que Ele é o Senhor (Filipenses 2.10,11)    


Quando Jesus começou seu ministério público, pregando a mensagem do Reino de Deus e fazendo milagres, logo recebeu o título de “Cristo”. Esse título foi tão associado a Ele que, praticamente, se tornou seu sobrenome, sendo, então, chamado de Jesus Cristo. Essa palavra “Cristo” é a tradução para o português do grego (Cristós) que, por sua vez, traduz a palavra hebraica "Mashía" (pronúncia aproximada), a qual traduzindo direto para o português é “Messias” e significa “Ungido”.


Mas Jesus raramente aceitou esse título ou referiu-se a si por meio dele. Isso porque, sendo associado aos reis de Israel, ele ganhou, com o tempo, uma conotação política e nacionalista de tal modo que, à época de Jesus, esperava-se um Messias que libertasse Israel do jugo romano e o transformasse numa potência mundial. Quando Ele, próximo do fim de seu ministério, perguntou a seus discípulos quem eles achavam que Ele era e Pedro, tendo respondido “Tu és o Cristo”, ou seja, o Messias, Ele os advertiu que não contassem a ninguém (Marcos 8.30; Mateus 16.20).


Jesus fez aquela advertência porque não veio ao mundo para instaurar um reino terreno em Israel. Seu “messianato” era espiritual; Ele veio implantar o Reino de Deus entre os homens. Por isso rejeitou o título de “Messias” e sempre se referiu si com o título de “Filho do homem”, que aparece 81 vezes nos evangelhos. É uma referência à profecia de Daniel (7.13,14) que fala de um personagem celestial a quem, nos tempos do fim, Deus confiou autoridade, glória e poder soberano para estabelecer um reino eterno.   

Antônio Maia - M. Div.

Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré