Pular para o conteúdo principal

O TEXTO DO NOVO TESTAMENTO













Quando lemos hoje o Novo Testamento, estamos de fato lendo o texto que João, Paulo e os outros autores escreveram? Essa pergunta faz sentido para aqueles que buscam desenvolver uma fé madura e não ingênua, alicerçada na realidade dos fatos e não em fantasias e imaginações. A baixa durabilidade do papiro, material precursor do papel, em que foram escritos os autógrafos (manuscritos originais dos autores), levou ao rápido desaparecimento deles. Antes, contudo, eles foram copiados e recopiados, o que deu origem a milhares de variantes textuais. 

Esse processo de transmissão do texto ocorreu por 14 séculos até ao surgimento da imprensa. Teria ele sofrido alterações significativas que comprometessem sua autenticidade? Vamos pensar essa questão sob três aspectos: a natureza das variantes textuais; a distância entre as cópias e os autógrafos; e a quantidade de documentos disponíveis. Com relação às variantes, os milhares que surgiram decorrem da grande quantidade de cópias feitas, mas elas, segundo os estudiosos, referem-se somente à ortografia e a disposição das palavras, e não afetam nenhuma doutrina cristã.

No tocante a distância das cópias aos autógrafos, enquanto, por exemplo, a cópia mais antiga de Platão dista dele 1300 anos e ninguém a questiona; há inúmeros manuscritos do NT, em pergaminho, datado século IV, ou seja, distante pouco mais de 200 anos dos originais. Além disso, existem consideráveis fragmentos em papiro de praticamente todos os livros do NT que nos fazem recuar ao século III e, em alguns casos, a meados do século II (menos de 100 anos dos autógrafos). Então, nesse quesito a autenticidade e a integridade do Novo Testamento é inconteste.

Já a quantidade de documentos disponíveis que atestam a existência de escritos deixados pelos homens que andaram com Jesus, fazem o NT ser o texto antigo mais bem documentado que existe. Há, hoje, cerca de 5.500 manuscritos gregos completos ou fragmentos, além de quase 13.000 manuscritos de versões do NT para outras línguas que surgiram, a partir do século II, com a expansão do cristianismo. Também há milhares de citações do texto do NT na literatura dos pais da Igreja. Só Irineu, Clemente de Alexandria e Orígenes citaram trechos do NT 22.147 vezes. 

Por tudo isso, os estudiosos e especialistas confirmam que os textos do Novo Testamento são fiéis aos originais e dignos de credibilidade. Esse texto seria apenas mais um texto antigo, se não tratasse de Deus que se fez homem e andou entre nós. Por essa razão ele é elevado ao status de escritura Sagrada, dada por Deus à humanidade como luz para o caminho dos homens.

Antônio Maia – M. Div

Direitos autorais reservados

                                          

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré