Pular para o conteúdo principal

O IMPÉRIO DAS TREVAS


Do início ao fim das Escrituras sagradas, nota-se a existência de um verdadeiro império das trevas que luta contra Deus e os que o temem. Observa-se ainda, na trama bíblica, que o homem se encontra mergulhado em profundo sofrimento, pois “o mundo todo está sob o poder do Maligno” (1João5.19). Como pode isso? Como Deus permite isso? De acordo com a narrativa bíblica, a humanidade ficou sujeita a influência de Satanás quando decidiu não seguir a orientação divina, mas a palavra da “antiga serpente” quanto a comer ou não da árvore do conhecimento do bem e do mal (Gênesis3; Apocalipse12.9).


Esse complexo tema já foi tratado aqui, no blog, sob o título “Por que Existe o Mal?”. Convido-o à leitura. Mas quem é Satanás? Qual é a sua origem? Como ele e seus demônios surgiram? Os profetas Isaías e Ezequiel falaram sobre um “querubim” que, em seu coração, desejou a posição do Altíssimo, mas Este o expulsou de seu Reino (Is14-12-14;Ez28.12-15). Orígenes (c.185-253d.C.), teólogo egípcio, de Alexandria, foi o primeiro a desenvolver o conceito de uma “rebelião pré-cósmica” de um anjo. Este, depois, tornou-se a opinião cristã dominante adotada, inclusive, por Santo Agostinho.  

Mas, os teólogos, em sua maioria, se recusam a aplicar as profecias de Isaías e Ezequiel a Satanás por entenderem que elas se dirigem, respectivamente, ao rei da Babilônia e ao rei de Tiro. Outros estudiosos, contudo, entendem que a descrição dos reis, feita pelos profetas, não corresponde a um rei terreno. De fato, jamais houve um rei humano que fosse “modelo da perfeição” e que morasse “no Éden, no jardim de Deus” (Ez28.12,13). Seja como for, convém observar que, segundo esses dois profetas, um anjo de alta posição, no reino espiritual, se rebelou contra Deus e foi lançado à terra.

Observe, no entanto, que não apenas um “querubim guardião” foi expulso, mas muitos outros anjos, conforme Mateus 25.41, 2Pedro 2.4 e Apocalipse 12.7-9. Esses anjos caídos se enquadram em duas classes: os que estão livres a serviço de Satanás e os que estão em prisões eternas, aguardando o juízo final (2Pedro2.4; Judas6). Mas por que Deus permite que demônios fiquem livres a serviço de Satanás para afligir e prejudicar os seres humanos? Todo esse tema é muito complexo e só encontra resposta no mistério de Cristo.

Após a Queda, isto é, após o pecado original, o mundo se transformou no que é hoje. Mas Deus não deixou o homem à mercê das trevas. Ele foi ao Éden procurá-lo (Gn3.8,9). Depois se revelou a Moisés e aos profetas trazendo a sua Palavra e esta, que é Cristo (Jo1.1), entrou nesse mundo que está "sob o poder do maligno”. Tanto que quando Jesus estava sendo preso, Ele disse: “esta é a hora de vocês quando as trevas reinam” (Lc22.53). As forças das trevas achavam que estavam alcançando uma grande vitória, mas, ao contrário, era derrota delas, pois, ao terceiro dia Jesus ressuscitaria, abrindo o caminho para o homem reencontrar-se com seu Criador. Então, do mesmo modo que o homem decidiu afastar-se de Deus, no Éden, hoje, precisa decidir voltar para Deus, pegando esse caminho que é Cristo. E quanto a Satanás, a Bíblia termina com ele preso, eternamente, em um lago de fogo (Ap20.10).  
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré