Pular para o conteúdo principal

OS SUPERAPÓSTOLOS



Resultado de imagem para imagens de fariseus
OS SUPERAPÓSTOLOS
Com frequência, ouve-se comentários sobre falsos pregadores que se infiltram na igreja para explorar, financeiramente, os fiéis. Isso, contudo, não constitui um problema só dos dias atuais. O Apóstolo Paulo, usando a figura de linguagem ironia, chamou alguns, que apareceram na igreja de Corinto com esse fim, de υπερλιαν αποστολων (hiperlian apostolon), isto é, “superapóstolos” (2Coríntios11.5;12.11). As versões bíblicas Nova Versão Internacional e Almeida Século 21 traduzem assim o texto grego.

Tal fato traz à mente o pensamento sobre quais razões levam uma pessoa a desejar uma função de líder na Igreja de Cristo. Certamente, esse desejo brota do sentimento interno de um chamado divino para a vida consagrada. Nem todos, contudo, carregam, no seu íntimos, esse chamado e nem reunem condições para o pastorado. Paulo, escrevendo a Timóteo, listou uma série de requisitos que constituem o perfil de alguém que aspira essa função, dentre os quais encontra-se o de a pessoa não ser apegada ao dinheiro (3.1-7).

No entanto, por vezes, notam-se líderes espirituais, no seio da Igreja, que não se portam como “servos da palavra” (Lucas1.2). Às vezes, o desejo de estar em destaque, de poder, de controlar os outros e de auferir vantagens financeiras podem ser os reais motivos que levaram tais pessoas a se tornarem pregadoras do evangelho. Paulo, escrevendo aos Filipenses, declarou que “alguns pregam a Cristo por inveja e rivalidade ... por ambição egoísta, sem sinceridade”. Mas, no seu pragmatismo afirmou: “o importante é que ... Cristo está sendo pregado” (Filipenses1.15-18).

Convém, porém, atentarmos para o que disse Tiago: “meus irmãos, não sejam muitos de vocês mestres, pois vocês sabem que nós, os que ensinamos, seremos julgados com maior rigor” (3.1). Há um grande perigo em sermos levianos com Deus, adverte-nos o profeta Jeremias: “não é a minha palavra como o fogo, pergunta o Senhor, e como um martelo que despedaça a rocha? ... estou contra os que profetizam sonhos falsos, declara o Senhor. Eles os relatam e com as suas mentiras irresponsáveis desviam o meu povo. Eu não os enviei nem os autorizei; e eles não trazem benefício algum a este povo, declara o Senhor” (23.29-32).

Mas, os verdadeiros e honrados servos de Deus não devem ter nenhum constrangimento em ter o seu sustento vindo da Igreja. Foi assim que o Senhor planejou (Levítico7.28-36; Números18.8-20 e 1Coríntios9.7-14). Disse Paulo: “...o Senhor ordenou àqueles que pregam o evangelho, que vivam do evangelho”. Porém, ele não aceitou nenhum dinheiro dos Coríntios para que os “superapóstolos” não se considerassem iguais a ele, o que de fato não eram, pois não passavam de exploradores. Mas Paulo, enquanto estava em Corinto, foi sustentado por ofertas vindas de outras igrejas, em especial da Macedônia (2Co11.8,9,12).
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré