Pular para o conteúdo principal

A QUESTÃO DO SOFRIMENTO EM JÓ



Resultado de imagem para picture of Job
A QUESTÃO DO SOFRIMENTO EM JÓ
O livro de Jó suscita, em seu texto, relevantes questões teológicas e filosóficas sobre Deus e o homem. Há uma reflexão sobre o caráter divino e sua justiça ante ao sofrimento humano, em sua narrativa. Com respeito ao homem, o próprio Jó levanta a grande questão filosófica: “Que é o homem...?” e discute sobre o sentido da existência ao dizer: “...meus dias não têm sentido.” (7.16,17). Contudo, a questão central que essa obra da literatura de sabedoria dos hebreus levanta é o sofrimento do justo. 

A tese bíblica sobre a origem do sofrimento, na humanidade, encontra-se no conceito da Queda. O homem ao separar-se de Deus ficou sujeito ao sofrimento, pois se desligou da fonte que lhe nutria vida. Ele não foi criado para a vida autônoma, mas para viver na presença de seu Criador. Por isso, após a separação, seu corpo se alterou e ficou sujeito à morte. Sua alma passou a experimentar sentimentos novos como angústia, dor, medo e desespero. E seu espírito perdeu o sentido da existência.

Desse modo, o sofrimento vem sobre o homem pelo simples fato de estar no mundo. Também vem como consequência de pecados que ele comete estimulado por sua própria natureza pecaminosa. Vem ainda de decisões equivocadas que ele toma e das tentações postas por seu adversário: Satanás. Este não pode tocar o ser humano a não ser que Deus o permita. Mas pode tentá-lo. Caindo o homem em tentação, vem sobre ele dor e dificuldades. 

Mas o sofrimento pode vir até sobre os justos e piedosos, cujas vidas são usadas por Deus nos embates da luta pela implantação de seu Reino. Observe que foi o próprio SENHOR que deu início a situação vivida por Jó. Foram com essas palavras divinas a Satanás que tudo começou: “reparou em meu servo Jó?” (1.8). Pedro, em seu primeiro discurso, falando sobre a morte de Jesus disse: “...Deus cumpriu o que tinha predito por todos os profetas, dizendo que o seu Cristo haveria de sofrer” (Atos 3.18).

Como Jó, vivendo na piedade e retidão, as vezes não compreendemos por que sofremos. O sofrimento, contudo, é um produto da Queda e é por meio dele que ele será erradicado da humanidade. Veja o que disse Deus a Ananias sobre Paulo: “...este homem é meu instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e seus reis, e perante o povo de Israel. Mostrarei a ele o quanto deve sofrer pelo meu nome”. (Atos 9.15,16). Anos depois, esse Apóstolo escreveu aos Filipenses: “pois a vocês foi dado o privilégio de não apenas crer em Cristo, mas também de sofrer por Ele...” (1.29).  
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS AO AUTOR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré