Pular para o conteúdo principal

APOCALIPSE: INTERPRETAÇÕES


Imagem relacionada

APOCALIPSE: INTERPRETAÇÕES
O livro de Apocalipse apresenta uma complexa narrativa. Seu texto contém elementos da literatura epistolar, apocalíptica e profética. Por isso recebe uma diversidade de interpretações. Há quem o veja em uma perspectiva, meramente, idealista. Isto é, ele não trata de acontecimentos históricos. Seus quadros simbólicos contêm, apenas, verdades espirituais referentes ao conflito entre o Reino de Deus e as forças espirituais do mal. É claro que essa é uma interpretação precária, pois é fácil observar, nesse texto joanino, a existência de eventos passados e futuros em sua narrativa.

Outros, dentro de uma visão preterista, defendem que ele foi escrito para encorajar a igreja do primeiro século que passava por perseguições. Estudiosos do texto grego, na Europa, aceitam essa interpretação. É fato, e o próprio texto confirma, que esse livro foi escrito para as “...sete igrejas da província da Ásia” (1.4). Também é aceitável supor que a igreja primitiva tenha se visto na trama do Apocalipse e se fortalecido com a mensagem da vitória de Deus sobre o mal. Mas, por tratar-se de uma profecia (1.2;22.7), ao mesmo tempo que fala aos de sua época, lança luzes sobre o futuro. 

Já a principal forma de interpretação dos reformadores da igreja, no século XVI, situa-se dentro de uma visão histórica. Nesta, a narrativa do Apocalipse corresponde à história do mundo e da Igreja, desde o seu início até à volta de Cristo. Só os capítulos 19 a 22 se referem a eventos futuros. Embora esse método de interpretação tenha sido dominante por muito tempo, no meio protestante, os estudiosos encontram dificuldades em relacionar os eventos históricos com as profecias apocalípticas. 

Há ainda outra interpretação: a futurista. Nesta, a maior parte dos eventos se refere ao fim dos tempos (4 a 22). O livro trata de Israel e sua restauração. A igreja é tirada do mundo antes da grande tribulação. Embora literalista, adota interpretação simbólica em eventos importantes para seu esquema: as sete igrejas da Ásia simbolizam as fases da história eclesiástica; e a “subida” de João para o céu (4.1) representa o arrebatamento da igreja. O texto, contudo, não fornece elementos para embasar tais conclusões. Só João sobe para receber a profecia e as igrejas são reais, concretas e existiam na área em que João era bispo.    
  
Como observado, todas as opções acima apresentam dificuldades hermenêuticas. Por isso, é preciso humildade diante do texto bíblico e se contentar com o que nele está escrito. A autoridade é o texto sagrado e não quem o interpreta. O leitor deve ter a preocupação de enxergar, no texto, o mundo que dele emerge e não o seu próprio. Esse livro do Apóstolo João é uma epístola apocalíptico-profética escrita para encorajar a igreja que sofria, no primeiro século, e revelar à igreja de todas as eras a vitória de Deus sobre o mal.  
ANTÔNIO MAIA
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré