Pular para o conteúdo principal

O HOMEM JOÃO BATISTA

O HOMEM JOÃO BATISTA
Há dois mil anos, havia, em Israel, uma grande esperança quanto à chegada iminente do Messias. Este, no conceito equivocado deles, seria um rei poderoso, da linhagem de Davi, que iria expulsar os romanos e restabelecer a glória de Israel entre as nações (Atos1.6). Foi quando apareceu João Batista, um homem de personalidade forte e com uma pregação dura a quem multidões se dirigiam. Diz o texto: “o povo estava em grande expectativa, questionando em seu coração se acaso João não seria o Cristo” (Lucas3.7-15).

Esse sentimento era tão intenso que levou o Sinédrio, corte suprema de Israel, a enviar uma delegação de Levitas e sacerdotes para analisar a atuação do profeta e verificar se ele era, realmente, o Messias esperado (João1.19-28). Mas João Batista, prontamente, respondeu: “não sou o Cristo” (João 1.20). Essa palavra “Cristo” é a tradução para o português do grego Χριστός (Cristós) que, em hebraico é מְשִׁיחִֽ (Mashía), a qual vertendo direto para o português é “Messias” e significa “Ungido”.

João Batista era uma novidade, em Israel naquela época. Seu modo simples de vestir-se e viver contrastava com o estilo requintado dos religiosos de então (Mateus3.4). Vivia o que pregava e isso lhe conferia tanta autoridade que até fariseus e saduceus, membros da elite religiosa, iam a ele para serem batizados (Mateus3.7). Embora não necessitasse, visto que o batismo de João era para arrependimento, o próprio Senhor Jesus foi até ele para ser batizado, tal o respeito que nutria pelo profeta. Jesus entrou na fila do batismo por solidarizar-se com os pecadores, em um gesto de identificação com o sofrimento deles (Mateus3.13).

Não era um homem qualquer, tanto que Jesus ao falar sobre ele, disse: “entre os nascidos de mulher não surgiu ninguém maior do que João Batista” (Mateus11.11). Foi o último profeta da antiga aliança (Mt11.13). Repreendeu as autoridades religiosas, chamando-as de “raça de víboras” e dizendo que elas tinham que arrepender-se (Mt3.7,8). Denunciou, condenando publicamente, o pecado do rei Herodes que se separou de sua mulher para casar-se com a esposa de seu irmão Herodes Filipe (Lucas3.19). Esse ato o levaria à prisão e depois à morte.

Preso, confuso, sofrendo as tensões típicas de um legítimo profeta judeu, e sabendo que sua morte se aproximava, enviou a Jesus seus “discípulos para lhe perguntarem: és tu aquele que haveria de vir ou devemos esperar algum outro? Jesus respondeu: voltem e anunciem a João o que vocês estão ouvindo e vendo: os cegos veem, os mancos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e as boas novas são pregadas aos pobres...” (Mateus11). Agora João Batista podia seguir o caminho de seu chamado. Foi decapitado e sua cabeça exposta em uma bandeja no aniversário do rei Herodes (Mateus14).

A vida de João Batista é um exemplo para todo aquele que se dispõe a ser testemunha de Cristo no mundo. Pois a luta do cristão “não é contra seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores desse mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal [...]” (Efésios 6.12). No entanto, o Apóstolo Paulo disse: “pois a vocês foi dado o privilégio de não apenas crer em Cristo, mas também sofrer por Ele, já que estão passando pelo mesmo combate que me viram enfrentar e agora ouvem que ainda enfrento” (Filipenses 1.29,30).
Antônio Maia – M. Div.
Direitos autorias reservados.

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré