Pular para o conteúdo principal

A ORAÇÃO DO "PAI NOSSO"



Muitos cristãos, em nome da não religiosidade, deixaram de orar a oração do “Pai nosso”. Por ela ser uma “oração modelo”, muitos entendem que orá-la, com frequência, pode induzir o crente a uma prática mecânica do ato de falar com Deus. Contudo, se analisarmos as nossas orações espontâneas, que acreditamos brotarem do fundo do nosso coração, veremos que elas também guardam certa regularidade de ideias e estão carregadas de clichês e moldes conceituais, frutos da teologia da comunidade de fé que frequentamos. 

O perigo de nos tornarmos formais e mecânicos, no culto a Deus, está sempre perto. Só a consciência profunda da presença divina em nossas expressões de adoração nos livrará desse risco. A verdade, porém, é que os cristãos perdem muito em não orar a oração que o Senhor ensinou a seus primeiros discípulos. Quando oramos o “Pai nosso” nos reportamos às origens de nossa fé e nos ligamos a uma tradição milenar deixada pelo Senhor Jesus Cristo.  “De acordo com Cipriano, Bispo de Cartago (séc III), orar o ‘Pai nosso’ significa orar a Deus com as palavras que Ele mesmo nos ensinou”[1].  

Há, ainda, outro aspecto importante quanto à necessidade de orarmos a oração dominical, isto é, a oração do Senhor. De acordo com Karl Barth, a oração não é um ato arbitrário nosso, mas “é um assunto regulado por Deus, não por nossa iniciativa”[2]. Não é de se admirar que muitos, abandonando o ensino de Jesus sobre a oração, a transformaram em magia ou, ingenuamente, a usam como se pudessem manipular Deus. Mas os evangelhos mostram, claramente, o que podemos orar e como podemos orar a Deus. 

Convém que se compreenda que a oração do “Pai nosso”, que Jesus ensinou, está no centro de sua catequese sobre a oração. Como são palavras que o próprio Senhor proferiu, temos nele um pouco do pensamento de Jesus, do que ia em seu íntimo. Podemos observar aspectos relevantes de seu ensino, tais como Deus, o Pai, e seu Reino. A leitura atenta, na oração do “Pai nosso” nos levar a concluir que Deus, e não nós, constitui o centro desse momento em que o homem, mesmo em sua condição de pecado, se reuni com a Trindade. Sim, a oração é um encontro com Deus, uma reunião com a Trindade[3]. 

Então, é da maior importância para o cristão a prática de orar, diariamente, o “Pai nosso” com o cuidado de fazê-lo não mecanicamente, mas com a consciência de que está na presença de Deus. Experimente, quando você for orar, pronunciar a primeira palavra da oração, isto é, “Pai” e ficar por um breve tempo em silêncio, pensando em Deus ou em Cristo, na cruz. Depois comece a orar devagar e, conscientemente, as palavras da oração. Você vai sentir a solenidade e quão sublime é esse momento e, aos poucos, vai descobrir o prazer da vida de oração. Pode repetir, se desejar, e depois pode continuar conversando com Deus com suas próprias palavras.

(Texto redigido com base em nosso livro (ebook) Senhor, Ensina-nos a Orar - Um Ensaio Sobre a Centralidade de Deus na Oração, pulicado na amazon.com.br)

Antônio Maia - M. Div

Direitos autorais reservados

[1]     RATZINGER, Joseph. Jesus de Nazaré, Ed Planeta, São Paulo, 2007, p. 124

[2]     BARTH, Karl. O Pai Nosso – A oração que Jesus ensinou aos seus discípulos. Fonte Editorial, São Paulo,

         2006, p. 26.

[3]   MAIA, Antônio. Senhor Ensina-nos a Orar. Um ensaio sobre a centralidade de Deus

        na oração. São Paulo: amazon.com.br, p.39



Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré