Pular para o conteúdo principal

MITO E REVELAÇÃO

Não poucos tratam como mitos as narrativas iniciais do livro de Gênesis. O estudioso, no entanto, vê essa visão apenas como um mero reducionismo. Os que assim pensam incorrem nesse equívoco por causa de certas semelhanças entre essas histórias bíblicas e os mitos mesopotâmicos. “Enuma Elish, por exemplo, muito se assemelha à narrativa bíblica da criação. A Epopéia de Gilgamés guarda estreita semelhança com o dilúvio bíblico. Já a Epopéia de Atrahasis contém similaridades com a narrativa de Gênesis 1 a 8: criação, rebelião, dilúvio”[1].

 Contudo, um estudo mais acurado sobre essa questão revela que ela é mais complexa do que se pensa. Para o estudioso do Antigo Testamento William La Sor, “essas semelhanças não provam nada além de um relacionamento de gênese entre os relatos bíblicos e os mesopotâmicos. As histórias do Gênesis em sua forma presente não remontam a tradições babilônicas. Os indícios, mesmos das correspondências estreitas entre as histórias do dilúvio, insinuam apenas uma influência difusa de uma herança cultural comum”[2].

Essas poucas correspondências são insuficientes para afirmar que as narrativas iniciais de Gênesis são mitos. O arcabouço mitológico se expande em uma direção diferente da bíblica, em um emaranhado de histórias desconexas, variando de cultura para cultura. Um estudo mais detalhado da literatura da Revelação e da mitologia evidencia que essa hipótese de que a Revelação é apenas mito não se sustenta. Existem fortes contrastes de estilo e conteúdo entre ambas. Os mitos apresentam uma linguagem confusa e desconexa, típica da visão turva e intuitiva. Já o Gênesis flui como poesia, firme e com a direção típica de um autor que domina o conhecimento, e isso ocorre porque lhe foi revelado.

Com relação ao conteúdo, o contraste se acentua ainda mais. Bíblia e mitologia têm apenas poucos pontos de tangência; o resto é conteúdo próprio. Esses pontos de contato, como afirmou La Sor, são lembranças comuns aos povos, pois eles as vivenciaram juntos, após a Queda, antes de se espalharem sobre a Terra. Os mitos são formulações humanas para explicar o mundo. Narram um cenário politeísta em que os deuses são apenas forças da natureza. Eles mentem, roubam, matam e praticam fornicação. Os homens, imersos em sofrimento e desesperança, nada mais são do que joguetes em suas mãos e só existem para servi-los.

Já, as narrativas do Gênesis, constituem conteúdo distinto da mitologia, pois foram reveladas pelo Criador a um povo que Ele escolheu. Elas falam da origem do universo e do ser humano como criação de um Deus único, santo e onipotente, que existe separado do mundo que cria. Diferente do que ocorre na mitologia, o homem aparece, na narrativa bíblica, como clímax dos atos criativos e dotado de honra singular. Além de ter recebido a imagem e a semelhança do seu Criador, vive em sua presença, em um ambiente de paz e harmonia. Essa dificuldade em aceitar a Revelação segundo o Apóstolo Paulo decorre do fato de haver nos olhos do ser humano caído um véu que o impede de enxerga-la. Só quando o homem “se converte ao Senhor, o véu é retirado” e, então, ele passa a discernir as coisas espirituais (2Coríntios3.12-18).

ANTÔNIO MAIA

DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

[1] MAIA, Antônio. O Homem Em Busca de Si. Amazon, São Paulo, 2017, p.52

[2] LASOR, William S. Introdução ao Antigo Testamento. Ed Vida Nova, São Paulo, 1999, p.21

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré