Pular para o conteúdo principal

A FAMÍLIA TERRENA DE JESUS


A FAMÍLIA TERRENA DE JESUS
“Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo” (1.1,2). São nesses termos que o autor de Hebreus mostra que houve um processo de revelação divina ao homem ao longo da História. Esse processo culminou com a entrada do próprio Deus na humanidade por meio do nascimento do menino Jesus, que foi concebido, no ventre de uma virgem sem participação masculina, pelo Espírito Santo (Lucas1.26-35). Este texto trata sobre a família terrena de Jesus de acordo com o que consta, estritamente, nos evangelhos. 

José, a julgar por seu caráter de homem justo e santo, que não hesitou em receber Maria como esposa após a experiência de um sonho em que um anjo lhe avisava que ela estava grávida por ação do Espírito de Deus (Mateus1.19-21), deve ter tido um bom relacionamento com Jesus. Segundo Lucas, ele o educou no amor ao Senhor. Circuncidou Jesus, conforme a lei judaica, e todo ano o levava a Jerusalém para a festa da Páscoa (2.21,41). Ensinou também a Jesus o ofício de carpinteiro (Mateus13.55), mas deve ter morrido cedo, pois os evangelhos fazem pouca referência ele e, inclusive, não estava presente na crucificação.   

Quanto a Maria, o pouco que os evangelhos apresentam mostra que ela o amou e cuidou dele como mãe dedicada. Embora não imaginasse o desfecho que a vida dele teria, isto é, sua morte e ressurreição, tinha consciência de sua natureza espiritual por causa da visão com o anjo Gabriel e do milagre de sua concepção por parte do Espírito. Mas Jesus sempre teve uma postura independente, em relação a ela, quando o assunto era a sua missão. Isso pode ser observado nas palavras dirigidas a ela, em duas oportunidades: “Não sabiam que eu devia estar na casa de meu Pai?” (Lucas2.49); “que temos nós em comum, mulher?” (João2.4). Na cruz, antes de morrer, sabendo da fragilidade da mulher na sociedade judaica de sua época, entregou ela aos cuidados de João, tanto que esse Apóstolo escreveu: "daquela hora em diante , o discípulo a levou para a sua casa" (João19.26,27). 

Segundo Mateus, após o casamento com Maria, José “não teve relações com ela enquanto ela não deu à luz” a Jesus (1.25). Depois, José e Maria tiveram filhas e filhos. Mateus e Marcos citam os nomes dos filhos: Tiago, José, Simão e Judas (Mateus 13.55; Marcos6.3). Estes, segundo os evangelhos, não o compreendiam e nem criam nele (João7.1-9). Sua atuação como pregador, em meio às multidões, dizendo que Deus era seu Pai e ensinando sobre um Reino de outro mundo, causava certo incômodo e constrangimento. Certa vez, viajaram a Cafarnaúm para levá-lo para casa “à força, pois diziam: Ele está fora de si” (Marcos3.21). 

Contudo, esse quadro mudou, radicalmente, após a ressurreição, pois Jesus, ressurreto, apareceu a seu irmão Tiago (1Coríntios15.7). Este tornou-se “coluna” na Igreja de Jerusalém (Gálatas1.19; 2.9) e autor de um livro do Novo Testamento que leva o seu nome. Judas, outro irmão de Jesus, segundo estudiosos é o autor de outra carta do Novo Testamento. De acordo com o evangelista Lucas, toda a família compreendeu e se converteu a Cristo, após sua ressurreição (Atos1.14) e Paulo, escrevendo aos Coríntios, dar a entender os “irmãos do Senhor” em atividade missionária (1Coríntios9.5).
 
Essas informações falam sobre a humanidade de Jesus Cristo, contudo, antes de sua encarnação, “embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se ... tornando-se semelhante aos homens” (Filipenses2.6,7). Jesus fez isso porque “era necessário que ele se tornasse semelhante a seus irmãos em todos os aspectos, para se tornar sumo sacerdote misericordioso e fiel com relação a Deus, e fazer propiciação pelos pecados do povo. Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados” (Hebreus2.17,18).
Antonio Maia – M. Div.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré