Pular para o conteúdo principal

CONSUMISMO E ATIVISMO RELIGIOSOS


CONSUMISMO E ATIVISMO RELIGIOSOS
Não resta dúvida de que a influência do neoliberalismo atinge todas as áreas da vida do chamado mundo ocidental cristão, inclusive a espiritual, ao ponto de originar uma nova estética religiosa. Essa doutrina política e econômica, que defende a não participação do estado na economia, criou um modo de vida marcado pela competição, egoísmo, imediatismo e consumismo. O ser humano foi coisificado e reduzido a mero componente da grande engrenagem de produção e consumo.

O sentido da vida e a felicidade, agora, estão na capacidade de adquirir bens. A pessoa, então, submete-se a rigoroso esforço educativo para inserir-se no mercado de trabalho, mesmo que isso a torne alguém que não gostaria de ser. Prisioneira do sistema, é alvo de falsas necessidades geradas pelo marketing que cria valor nos bens. Estes, porém, por causa do lucro e do avanço tecnológico, tornam-se, rapidamente, ultrapassados o que faz as pessoas desejarem os modelos mais recentes, entrando em um círculo vicioso.

O resultado objetivo desse processo é que as pessoas se perdem de si mesmas ao assimilar o estereótipo do sistema. Mergulhadas no ativismo, não olham mais para si, não se conhecem mais. Um sentimento de vazio interior domina e com ele um constante senso de insatisfação, que só é saciado pela busca do novo. Isso não apenas em relação às coisas, mas também às pessoas de tal modo que o próprio ser humano se torna descartável.

A força desse modelo social faz refém, sem ele perceber, o próprio cristão. A vida espiritual, a devoção a Deus se reduz a um mero item da agenda. A vida consagrada é substituída pela busca do sucesso. É o espírito dessa ideologia agindo nas pessoas. A Igreja deixa de ser a comunidade de adoração, a casa de oração para se tornar um centro de atividades. Em muitos grupos, o culto, cujo centro deveria ser a adoração eucarística, toma as feições de um programa de auditório. Assim, Igreja perde a relevância e as pessoas, aos poucos, não veem mais motivo para frequentá-la. 

A vida espiritual, agora, consiste em consumismo e ativismo religiosos. As pessoas vão à igreja em busca sermões, músicas, shows gospels, pregadores, cds, livros. Transitam entre igrejas de diferentes confissões a procura de estilos novos, diferentes e interessantes. A vida interior, marcada pela oração, meditação na Palavra e busca da santidade é substituída pela participação em eventos, palestras, encontros, simpósios, seminários. Ser cristão não envolve mais o “novo nascimento” (Jo3.1-21), a “vida no Espírito” (Rm8.1-17) e ser “luz do mundo” (Mt5.14), mas em consumir bens religiosos e participar de atividades.

A sociedade mudou, é verdade, mas a necessidade do homem permanece a mesma: Deus. Todo esse ativismo, todo esse consumismo, toda essa busca por algo que lhe satisfaça não é outra coisa senão a busca por Deus. E só a Igreja de Cristo tem a mensagem e o caminho que conduz o ser humano a Deus: “o homem Cristo Jesus, o qual se entregou a si mesmo como resgate por todos” (1Timóteo2.5). Posto isso, é conveniente uma autocrítica. Como não banalizar o evangelho de Cristo? Como não aviltar a Revelação divina? Como manter a dignidade do querigma da Igreja? Como manter a relevância da Igreja de Cristo nessa nova sociedade capitalista?  
Antônio Maia – M.Div
Direitos autorais reservados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré