Pular para o conteúdo principal

EU VENCI O MUNDO

Momentos antes de ser traído e preso, Jesus, em conversa com seus discípulos, disse: “neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo” (João 16.33). Era uma palavra de encorajamento a seus seguidores e uma autoavaliação positiva de sua atuação. Mas, em que sentido Jesus quis dizer “eu venci o mundo”, pois logo em seguida seria torturado, noite à dentro, e no dia seguinte seria crucificado e morto? Esse fim condiz com alguém que foi um vencedor no mundo?

Jesus sabia do sofrimento que se aproximava, mas sua confiança no Pai, que o ressuscitaria, o levou a declarar sua vitória sobre o mundo. Essa palavra “mundo” é uma ênfase joanina. Ela aparece mais de cem vezes, em sua literatura, com diferentes significados. Aqui, nessa passagem, significa “o sistema humano em oposição aos propósitos divinos” [1]. Sistema esse que se estrutura no pecado, no uso e no abuso do outro como meio de alcançar uma glória que despreza a Deus e o próximo. Jesus renunciou a tudo isso.

Bem verdade é, porém, que Jesus era como Adão antes da Queda, isto é, sem pecado. Tanto que, Paulo o chamou de “o segundo Adão” (1Coríntios 15.45). Embora fosse como todo os outros homens, ou seja, “de carne e sangue” (Hebreus 2.14), Ele tinha uma origem divina. Não houve participação masculina no seu nascimento. Ele foi concebido pelo Espírito Santo no ventre de uma virgem (Lucas 1.26-36). Ele mesmo, nessa última conversa com os discípulos, disse que veio da parte de Deus (João 16.28) e os discípulos creram nessa procedência divina de Jesus. Eles disseram: “nós cremos que vieste de Deus” (João 16.30).

No entanto, essa condição especial de Jesus não era algo inalterável, pois Ele poderia vir a pecar, do contrário não haveria sentido em o Espírito de Deus levá-lo para o deserto a fim de ser tentado pelo Diabo (Mateus 4.1). No deserto, Ele renunciou às ofertas da fama, do poder e das riquezas. Mas as tentações não se resumiram àquele momento. Ao longo da vida Ele sofreu outras tentações. Após a primeira multiplicação de pães, por exemplo, os judeus procuraram proclamá-lo rei de Israel (João 6.15). Na cruz o tentaram a abandonar sua missão, desafiando-o a livrar-se daquele sofrimento se Ele fosse, realmente, quem dizia ser.

Contudo, Jesus não cedeu às tentações. A sua força contra o pecado estava na sua confiança inabalável de sua procedência divina (João 16.28) e na sua vida de oração profunda (Marcos 1.35; Lucas 6.12). Ele morreu sem pecado. O autor de Hebreus escreveu que Ele “passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado” (4.15). Nós, cristão, também podemos vencer o mundo não nos rendendo ao seu modelo de sucesso e depositando a nossa fé em Cristo. João escreveu na sua primeira carta: “o que é nascido de Deus vence o mundo; e essa é a vitória que vence o mundo: a nossa fé”. Que tenhamos a mesma atitude dos primeiros discípulos e digamos: “nós cremos que vieste de Deus” (João 16.30).

[1] Bíblia Nova Versão Internacional comentada. Editora Vida, São Paulo, 2000, p. 1786.

Antônio Maia - M.Div.

Direitos autorais reservados.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré