Pular para o conteúdo principal

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E FÉ





É fato que a humanidade atingiu um grau de desenvolvimento científico e tecnológico sem precedente na história. No campo da Inteligência Artificial (IA), por exemplo, já se observa o emprego de tecnologias em áreas como saúde, astronomia, indústria, economia, cultura, política, guerra. A robótica já está presente em salas cirúrgicas de hospitais e tem auxiliado pessoas com mobilidade reduzida ou mesmo paralíticas a andar. Mas um fato de impacto nas relações humanas foi a criação, em 2016, do robô humanoide Sophia, pela empresa Hanson Robotics, que é capaz de reconhecer rostos, reproduzir 62 expressões faciais, aprender, conversar e trabalhar com seres humanos.

Esse campo da ciência, a Inteligência Artificial, tem sido objeto de reflexão filosófica, pois apresenta implicações, entre outras, de natureza ética e moral. Ele se vincula, remotamente, aos estudos do filósofo, francês, René Descartes (1596-1650) que foi o primeiro a formular o problema mente-corpo, no século XVII. Esse estudioso entendia o homem como criação divina no dualismo alma (mente) e matéria. Segundo Descartes a alma é uma entidade espiritual e eterna. Já a realidade material pode ser expressa por quantidades passíveis de mensuração mecânica.

No entanto, para os estudiosos da Inteligência Artificial, a mente não constitui uma instância distinta do corpo. Em uma visão reducionista do homem, esses estudiosos o veem apenas como um organismo material. A mente seria tão somente produto da organização funcional do cérebro. Nesse contexto, um objetivo da IA é desenvolver um cérebro artificial, mecânico, uma máquina que pensa. Muitos filósofos, contudo, entendem que é demasiado chamar de mente um processo mecânico ou eletrônico de regas e respostas. Assim, consideram difícil o desenvolvimento de uma máquina que tenha consciência de si, intencionalidade, vontade, arrependimento e outros sentimentos humanos.

Sob a ótica da Teologia, a Inteligência Artificial é passível de ampla análise, levando em conta variável espectro de considerações e conceitos. Falando, porém, apenas no que tange às origens, a IA é fruto daquele desejo adâmico de o homem ser “como Deus” (Gênesis 3:5). O ser humano quer ser Deus e criar um mundo todo seu. Um mundo material, onde não há espaço para a Divindade. Outro aspecto a ser dito sobre a IA é que o homem, criado “à imagem e semelhança” de Deus (Gênesis 1:26), é dotado de criatividade. Assim, ele tem o desejo de fazer coisas novas. Mas as suas criações não são “ex-nihilo”, isto é, “do nada” como só Deus realiza. Tudo que ele faz é a partir de algo que já existe.

Por outro lado, cabe destacar que a marca da ciência humana é a sua imperfeição. Seu resultado nunca é completo e perfeito; é sempre uma aproximação. Por exemplo: o remédio que cura determinado problema tem efeitos colaterais e pode causar outros danos. Esse aspecto pode ser também observado no uso da energia nuclear. Do mesmo modo como ela pode ser usada para o bem, na medicina, pode também ser empregada para o mal em uma guerra nuclear.

Escrevendo sobre esse assunto, Zilles (2016, p.209) afirma que, segundo o importante filósofo da ciência Karl Popper, “o conhecimento é sempre imperfeito, mas perfectível. A verdade absoluta, todavia, está fora de nosso alcance... todas as nossas teorias científicas apenas são tentativas de aproximação da verdade da qual ninguém dispõe”. Assim, a ciência, na qual o homem tanto confia, é imprecisa e apresenta sempre a marca da corrupção: tem seu lado bom e seu lado ruim.

A reflexão sobre a Inteligência artificial leva, inevitavelmente, o pensamento para o fim da profecia bíblica. Segundo o profeta Daniel, “no tempo do fim”, haverá grande busca por conhecimento (Daniel 12:4). Não é difícil concluir que o homem vive esse tempo. Atualmente, a produção de conhecimento, em todas as áreas, ocorre de forma assustadora. Assim, é inevitável a reflexão sobre a relação do avanço científico e a profecia do Apocalipse. 

A leitura dos primeiros quatro "selos" (Apocalipse 6:1-8) passa a impressão de que o desenvolvimento científico prepara o cenário do fim do mundo. Deus usará o próprio estado de beligerância que existe entre as nações e o avanço científico para desencadear seus atos de juízos sobre o sistema humano (Apocalipse 6:1-4). Não é por acaso que, no livro de Pedro, consta: “os céus serão desfeitos pelo fogo e os elementos se derreterão pelo calor" (2 Pedro 3:12,13). Isso é inevitável que aconteça, pois é plano de Deus o fim desse mundo que se formou após a Queda, isto é, após o pecado original para que Ele estabeleça "novos céus e nova terra" e uma nova ordem mundial, onde um extrato da humanidade viverá, novamente, em sua presença (Apocalipse 21 e 22).

Antônio Maia – M. Div

Direitos autorais reservados





https://www.amazon.com.br/HOMEM-EM-BUSCA-SI-REFLEXÕES-ebook/dp/B074WGD2VB/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&keywords=O+homem+em+busca+de+si&qid=1581728908&sr=8-1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré