Pular para o conteúdo principal

O HOMEM EM BUSCA DE SI

 


Não resta dúvida de que o homem é um ser desorientado e perdido em sua existência. Não sabe de onde vem, nem para onde vai e muito menos por que está no mundo. De acordo com a Bíblia, tal condição se estabeleceu quando, no princípio, o ser humano se afastou de seu Criador. Por essa razão, vive a reformular-se em diversos “eus”, como quem anda em busca de seu eu original. Alguns filósofos cristãos como Santo Agostinho, Blaise Pascal e Soren Kierkegaard refletiram sobre essa questão e podem nos ajudar no desenvolvimento dessa ideia. 

Agostinho, por exemplo, confessa que viveu um tempo distante de Deus: “me dissipei e me reduzi ao nada, afastando-me da vossa unidade para inúmeras bagatelas[1]. As paixões e as muitas atividades nos levam para longe não apenas de Deus, mas também de nós mesmos. Perdemos o eu que éramos na presença de Deus, quando nos afastamos dele. Agostinho, então mostra como o homem não conhece ele mesmo. Ele escreve: “por isso, enquanto peregrino longe de Vós, estou mais presente a mim do que a Vós”[2]... E que sou eu ó meu Deus? Qual é a minha natureza? Uma vida variada de inumeráveis formas com amplidão imensa”[3]. 

Pascal, por sua vez, em sua obra Pensamentos, levantou esse questionamento. Ele escreveu: “quem me colocou aqui? Por ordem e obra de quem este lugar e este momento foram destinados a mim?”[4]. E essa é uma das fontes do desespero humano: não conhecer nem o seu princípio nem seu fim. Mesmo assim, ele mantém sua arrogância e altivez, embora seja “incapaz de ver o nada donde foi tirado e o infinito que o envolve”. Assim, o homem é um mistério para ele mesmo, principalmente, quando ele olha para si e não consegue “perceber o que é ser corpo e menos ainda o que é ser espírito e ainda menos de que modo um corpo pode estar unido a um espírito”[5]. 

Já Sören Kierkegaard foi um analista profundo do desespero humano. Segundo ele, há duas formas de desespero. A primeira é a vontade de o homem ser ele mesmo, seu eu original, mas não conseguir. Daí, deriva-se a outra forma de desespero: não querer ser o eu que é. Por essa razão “o homem deseja sempre libertar-se do seu eu, do eu que é, para se tornar um eu de sua própria invenção[6]. É nesse ponto que se encontra o sentido da busca do homem por si. O contexto aqui apresenta uma relação com o evento da Queda, do pecado original, pois o filósofo faz, a todo momento, referência à natureza espiritual do homem. 

De acordo com esse pensador dinamarquês, em sua complexa obra O Desespero Humano, o sofrimento humano decorre da “inconsciência em que os homens estão de seu destino espiritual”. Para ele uma pessoa desperdiça sua vida quando não atinge “a consciência de ser um espírito, um eu, por outras palavras, que jamais consegue constatar ou sentir profundamente a existência de um Deus, não tão pouco que ela própria, ela, o seu eu, existe para esse Deus”[7]. 

Assim, esses filósofos, com suas reflexões alicerçadas na Revelação, apontam um caminho para a solução desse problema humano. Pascal, por exemplo, disse que há, no homem, “um abismo infinito que só pode ser preenchido ... pelo próprio Deus[8]. Já Santo Agostinho, em suas Confissões, declara: “...nos criastes para Vós e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousar em Vós”[9].  E Kierkegaard mostra “a fórmula que descreve o estado do eu, quando deste se extirpa completamente o desespero: orientando-se para si mesmo, querendo ser ele mesmo, o eu mergulha através da sua própria transparência, até ao poder que o criou”[10]. Ou seja, o que esses pensadores cristãos estão dizendo é que o homem se encontra consigo mesmo quando se reencontra com Deus[11].

[1] AGOSTINHO, Santo. Confissões. São Paulo. Ed Vozes, p. 47

[2] AGOSTINHO, Santo. Confissões. São Paulo. Ed Vozes, p. 219

[3] AGOSTINHO, Santo. Confissões. São Paulo. Ed Vozes, p. 232

[4] PASCAL, Blaise. Pensamentos. São Paulo. Ed Abba Press, p.67

[5] PASCAL, Blaise. Pensamentos. São Paulo. Ed Abba Press, p.67

[6] KIERKEGAARD, Sören. O Desespero Humano. São Paulo. Ed Martin Claret, p.25

[7] KIERKEGAARD, Sören. O Desespero Humano. São Paulo. Ed Martin Claret,

      p.29,31

[8] PASCAL, Blaise. Pensamentos. São Paulo, Ed Abba Press, p.137

[9] AGOSTINHO, Santo. Confissões. São Paulo. Ed Vozes, p. 25

[10] KIERKEGAARD, Sören. O Desespero Humano. São Paulo. Ed Martin Claret, p.20

[11] MAIA, Antônio. O Homem em Busca de Si. São Paulo. amazon.com.br. p.100

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados


https://www.amazon.com.br/HOMEM-EM-BUSCA-SI-REFLEX%C3%95ES-ebook/dp/B074WGD2VB/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&dchild=1&keywords=o+homem+em+busca+de+si&qid=1603479970&sr=8-1




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré