Pular para o conteúdo principal

O SER HUMANO ANSEIA POR DEUS

 



O salmista compara o homem, que conhece a Deus, à corsa pelo fato de ela buscar sempre as fontes de água, que lhe garantem o refrigério e a vida. Assim, ele diz: “como a corsa anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus?” (Salmo 42:1). Contudo, esse desejo do ser humano pelo Criador não diz respeito apenas àqueles que o amam, mas a toda humanidade caída.

Esse fato pode ser observado no exorbitante número de religiões e concepções divinas que existem no mundo. Em todos os povos e culturas, nota-se essa marca humana da religiosidade. Há uma sede de Deus, no homem. Traços e aspectos do Criador, no ser humano, provocam nele uma saudade de Deus. Mas, por causa de sua condição de pecado, sua expressão religiosa constitui, apenas, uma criação própria carregada de impressões equivocadas e percepções do mundo criado, sem jamais alcançar o verdadeiro Deus.  Seus deuses são, apenas, imagens do que é existente. 

Mesmo em religiões ditas cristãs observa-se essa desconexão entre a práxis religiosa e o Reino espiritual de Deus. Camadas de tradição religiosa encobrem o core revelado, de modo que se fala em Deus, Jesus e outros aspectos da Revelação, mas o que vale, mesmo, são as tradições da instituição e a teologia da classe dominante. O evangelho de Cristo é mero detalhe. O que ocorre nessas religiões não passa de religiosidade morta e seus seguidores nunca tiveram um encontro real com Deus. Embora muitos, expressem profunda religiosidade, fazem isso apenas no âmbito da forma, da liturgia e da tradição e, desse modo, nunca alcançam o Pai, o Filho e o Espírito. Muitos outros são, apenas, cristãos nominais.

É nesse ponto, que muitos, guiados por uma razão mais criteriosa, chegam a afirmar que Deus não existe e que a religião não passa de inutilidade. Pois, ali, onde deveria haver vida, nada há; onde deveria haver verdade, só existe criação humana. Contudo, mesmo com todo o seu poder e sua influência sobre a sociedade, esses homens não conseguem evitar que a humanidade insista na religiosidade, pois grande é a angústia de viver separado do Criador. Alimentar a ilusão religiosa ameniza essa dor, mas isso só afasta, cada vez mais, o homem de Deus. Pois Deus não está na religião, mas na Revelação de Si ao pecador.

Aqueles, porém, que tiveram a experiência de renascer para Deus, pela ação do Espírito em seu ser (João 3), são saciados, em seu íntimo, pela presença de Deus, ainda que tênue, em suas expressões de culto. Sim, é preciso “nascer de novo”, nascer para Deus, para as coisas espirituais, como disse Jesus. Tênue porque, como diz o Apóstolo Paulo, “agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro... mas, então, veremos face a face” (1Coríntios 13:12). Por isso, os cristãos, em suas angústias, dores e tristezas decorrentes da Queda, impelem-se para Deus, pois sabem que nele encontrarão refrigério para a alma. É como disse Davi: “busquei o Senhor, e Ele me respondeu; livrou-me de todos os meus temores” (Salmo 34:4). 

Mas os cristãos anseiam por Deus não apenas por causa de suas dores. O próprio ser de Deus os atrai. Sua perfeição, sua eternidade, sua glória, seu poder, seu amor, sua santidade atraem o ser humano, criado à sua “imagem e semelhança”, a Si, pois é isso que, no fundo, ele deseja. A criatura quer ser como o Criador e estar ao seu lado. O homem sem Deus, porém, não alcança a plenitude dessa experiência, pois trilha por uma justiça própria, desprezando a divina (Romanos 10:1-4). Mas o cristão, que já se encontra religado a Deus, pela ação do Espírito, por sua fé no sacrifício de Cristo, já enxerga Deus, ainda que em “um reflexo obscuro”... Ele sabe, contudo, que um dia O verá “face a face” (1Coríntios 13:12). 

O que o cristão vê quando adora a Deus? O que o impele a essa busca incessante por Deus? Aqueles cujos “olhos do coração” foram iluminados para verem a realidade espiritual (Efésios 1:18), ainda nesta vida, não devem incomodar-se com a incompreensão e, às vezes, o ódio a seu respeito por parte daqueles para os quais Deus não existe. Eles não conhecem a Deus (João15:18-25). Eles não alcançaram a fé e, portanto, não compreendem o amor e o anseio por Deus. É como disse o Apóstolo Paulo: “a fé não é de todos” (2Tessalonissenses 3:2). 

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré