Pular para o conteúdo principal

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II



Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30).

Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para essa incompreensão de sua pessoa quanto os milagres que Ele realizou. Esses feitos de Jesus eram inexplicáveis à luz das leis naturais que regem o mundo físico. Como entender um homem de “carne e sangue” (Hebreus 2:13) que repreende o vento e a fúria do mar, trazendo imediata calmaria (Mateus 8:23-27)?

Sobre isso, nota-se que Jesus demonstrou, em muitos milagres, poder sobre a “physis”, isto é, sobre a matéria. Duas vezes Ele transformou poucos pães em uma quantidade suficiente para alimentar uma multidão. Ele também andou sobre as águas do Mar da Galileia, transformou água em vinho e alterou a matéria do corpo de pessoas, em muitas curas, como dar vista a cegos, curar leprosos e paralíticos (Mateus 14:30-44; 15:29-39; Mateus 14:22-36; João 2:1-11; 9:1-12; Mateus 8:1-4; 9:1-8).     

Além desse poder sobre o mundo da matéria, os evangelhos mostram que aquele carpinteiro de Nazaré tinha um incompreendido poder sobre o mundo espiritual. Certa vez, Ele foi à sinagoga de Cafarnaum e, enquanto ensinava, “um homem possesso de um espírito imundo gritou: o que queres conosco Jesus de Nazaré? Vieste para nos destruir? Sei quem tu és: o Santo de Deus!”. Jesus, não querendo que as pessoas viessem a crer na sua procedência divina por intermédio do testemunho de demônios, o repreendeu, dizendo: “cala-te e sai dele!”. Na mesma hora, “o espírito imundo sacudiu o homem violentamente e saiu dele gritando”. E todos ficaram espantados com a autoridade de Jesus sobre esses seres malignos (Marcos 1:21-28). Os evangelhos contêm inúmeros outros relatos de embates de Jesus com esses anjos caídos, mostrando sua autoridade sobre eles.

Outro aspecto era o seu poder sobre a morte. Os evangelhos narram que Jesus Cristo, durante sua ação no mundo, ressuscitou três pessoas mortas (Marcos 5:21-43; Lucas 7:11-17 e João 11). Esses feitos deram a Ele muita notoriedade e multidões o seguiam. Ele mesmo afirmava sobre si: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crer em mim, ainda que morra viverá” (João 11:25). Ele assim falava porque sabia que logo morreria, na cruz, mas que ressuscitaria. Esses dois eventos, sua morte e ressureição, poriam fim à morte, na humanidade, e  abririam um caminho para o homem retornar ao seu Criador.

Certas declarações de Jesus causavam forte incompreensão sobre sua pessoa em seus discípulos e, principalmente, entre os religiosos de sua época. Certa vez, levaram a Ele um paralítico para que Ele o curasse. Jesus, porém, não o curou. Apenas disse àquele homem: “homem, seus pecados estão perdoados”. Como Deus, encarnado, Jesus entendia que Ele tinha poder até para perdoar pecados. E, assim, o fez, pois era muito mais importante que a cura física, visto que o perdão dos pecados livra o homem da condenação eterna.  

Ocorre, contudo, que os religiosos, presentes, ficaram escandalizados com essa declaração de Jesus. Então Ele disse: “que é mais fácil dizer: os seus pecados estão perdoados ou levantes e ande? Mas para que vocês saibam que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados – disse ao paralítico – eu lhe digo: levante-se, pegue a sua maca e vá para a casa”. O texto acrescenta que, na mesma hora, o homem se levantou e saiu louvando a Deus (Lucas5:17-26).

Após a morte de Jesus, os religiosos, de sua época, permaneceram não o compreendendo. Mas, os seus discípulos alcançaram pleno entendimento sobre sua pessoa, pois após a sua ressurreição, Ele passou quarenta dias com eles relembrando o que havia dito e os reorientando. Dez dias depois de sua ascensão, no Pentecostes, o Espírito Santo desceu sobre os discípulos. Ele os ensinou sobre Jesus Cristo, pois Jesus havia dito para eles: “o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo que eu lhes disse” (João 14:26).

Nos dias atuais, Jesus Cristo permanece incompreendido para a maior parte da humanidade. Isso ocorre por causa do pecado, no interior do homem. Um véu de iniquidade impede o ser humano de ver Jesus Cristo como Filho de Deus. O Apóstolo Paulo disse: “quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vem do Espírito de Deus... não é capaz de entende-las porque elas são discernidas espiritualmente” (1Coríntios 2.14). Mas aqueles que reconhecem sua condição de queda espiritual e recorrem a Deus, podem receber dele a graça de terem seus “olhos do coração” (Efésios 1.18) abertos e verem não somente a glória do Filho de Deus, mas também seu Reino eterno. 

Antônio Maia – M.Div.

Direitos autorais reservados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré