Pular para o conteúdo principal

POR QUE EXISTE O MAL ?

Observando o cenário mundial, nota-se a humanidade mergulhada em um processo de contínuo sofrimento. Há fome e guerras em diversas regiões do planeta afligindo massas populacionais. Vez por outra, catástrofes naturais tiram a vida de milhares de pessoas. O próprio homem aflige seu semelhante nas relações interpessoais. Vem-nos, então a pergunta: “sendo Deus bom, e tendo feito todas as coisas boas, de onde vem o mal?”. 

Essa questão foi levantada pelo pensador cristão Santo Agostinho, em sua obra Confissões, dentro do contexto da análise sobre o problema do mal no gênero humano. Ela é uma das mais complexas para a Teologia. Em suas análises e reflexões, o Bispo de Hipona escreveu: “procurei o que era a maldade e não encontrei uma substância, mas sim uma perversão da vontade desviada da substância suprema – de Vós, ó Deus – e tendendo para as coisas baixas ...” [1]. 

O que aquele grande estudioso estava falando era que Deus não criou o mal, mas ele veio a existir por um desvio da vontade humana. De acordo com a narrativa do Gênesis, o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus. E um aspecto dessa semelhança do homem com o Criador é a liberdade para tomar decisões. O mau uso dela trouxe para a humanidade toda sorte de mal e sofrimento. O homem tornou-se mau. 

Diz a Bíblia que, originalmente, o homem vivia em um ambiente vegetal e podia comer de qualquer árvore, menos da “árvore do conhecimento do bem e do mal”. Deus falara a Adão que no dia em que ele comesse daquela árvore morreria (Gênesis2.16,17). Mas o Tentador, em forma de uma serpente, convenceu a mulher a comer. Ele disse: “certamente não morrerão! Deus sabe que no dia em que dele comerem seus olhos se abrirão, e vocês, como Deus, serão conhecedores do bem e do mal” (Gênesis 3:4,5). 

Uma leitura irrefletida dessa passagem pode levar a conclusão de que era exagerada a consequência da simples desobediência. Contudo, por trás daquele ato do primeiro casal havia o desejo de uma vida autônoma e independente do Criador. Não se tratava apenas de comer ou não do fruto proibido. O primeiro homem queria ser “como Deus” e, nesse ponto, observa-se que ele amou mais a si do que a Deus. Criado para viver em comunhão com seu Criador, aquele ato de rebeldia, alterou sua natureza original e, assim, ele se separou de Deus, a fonte que lhe nutria vida, e mergulhou em uma nova existência, marcada pela dor, pelo sofrimento e pelo mal [2]. 

Essa é a razão, segundo Agostinho, da humanidade encontrar-se imersa em angústia e aflição. Cabe, então, a pergunta: por que Deus não põe um fim ao mal e muda essa situação? Isso Ele já fez, ao entrar no mundo, na pessoa do Filho, abrindo, por meio de sua morte e ressurreição, o caminho que leva o homem à sua condição original. Para Ele já está tudo resolvido, pois não está preso ao tempo como os seres humanos. O homem, contudo, tem que aguardar o desfecho da profecia bíblica. Mas ele só retorna à comunhão com Deus, se fizer, novamente, o uso de sua liberdade e decidir tomar o caminho aberto por Deus. O texto bíblico termina com Deus dizendo: “estou fazendo novas todas as coisas!”, isto é, uma nova ordem mundial, onde não há dor, pranto, sofrimento e morte. (Apocalipse21.1-7).

Antônio Maia – M. Div.

Direitos autorais reservados

[1] AGOSTINHO, Santo. Confissões. Ed. Vozes. Petrópoles-RJ, 2011, p. 157.

[2] MAIA, Antônio. O Homem em Busca de Si- Reflexões sobre a Condição Humana na Parábola do Filho Pródigo. amazon.com.br


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré