Pular para o conteúdo principal

A HISTÓRIA QUE O NOVO TESTAMENTO CONTA




A história que o Novo Testamento conta teve início há dois mil anos com o nascimento de Jesus durante o governo do imperador romano César Augusto (63a.C.-14d.C.), na cidade de Belém, na Judéia, na província romana da Síria (Lucas 2,1,2). Seria apenas mais um pobre menino judeu que chegava ao mundo, se não se tratasse de uma criança gerada sem pecado pelo Espírito de Deus no ventre de uma virgem (Lucas1.26-38). Sim, aqueles que andaram com Jesus o reconheceram como o Filho de Deus e não como um homem que superou a si mesmo moral e espiritualmente. 

Aos trinta anos, durante seu batismo, João Batista viu o Espírito de Deus descer sobre Ele como uma pomba e ouviu uma voz do céu que dizia: “este é o meu Filho amado, em quem me agrado” (Mateus 3.13-17). Depois de ser batizado, Ele foi levado para o deserto, pelo Espírito Santo, para ser tentado pelo Diabo. Venceu aquelas tentações e todas as outras que surgiram ao longo de sua vida. Sim, Jesus foi um homem de carne e osso que viveu sem pecado. O autor de Hebreu disse que Ele foi “alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado (4.15). 

Seus contemporâneos o reconheceram como o Messias prometido no Antigo Testamento. Ao mesmo tempo que pregava o Reino de Deus entre os homens, realizava muitos milagres. Os evangelistas dão testemunho de que Ele tinha poder para curar enfermidades, expulsar espíritos malignos, alterar as leis da natureza como no caso das multiplicações de pães e andar sobre as águas do Mar da Galileia. Tinha também poder sobre a morte como no caso das ressurreições que realizou, e poder privativo de Deus para perdoar pecados.

Ao fim de três anos de ministério público com seus discípulos, foi acusado de traição à Roma pelos líderes religiosos, mas não pronunciou defesa perante Pôncio Pilatos, prefeito da província romana da Judéia. Foi condenado à crucificação, mas ao terceiro dia ressuscitou dentre os mortos e permaneceu por quarenta dias com seus discípulos dando instruções finais. O Apóstolo Paulo disse que Ele “mediante o Espírito de santidade foi declarado Filho de Deus com poder, pela sua ressurreição dentre os mortos” (Romanos 1.4).

Depois de sua ascensão aos céus, seus discípulos empreenderam um movimento missionário para levar a fé cristã até aos confins da terra. Em meio a perseguições e sangue cristão derramado, a fé em Cristo cresceu e consolidou-se chegando até à Igreja dos dias atuais. Mas a história que o Novo Testamento conta ainda não terminou. Há muito conteúdo profético por acontecer. Está prevista uma segunda vinda de Jesus ao mundo para regatar a sua igreja e trazer juízos divinos sobre esse sistema humano estabelecido. Ela termina com parte da humanidade vivendo, novamente, com Deus numa nova ordem mundial (Apocalipse 21, 22).  

Antônio Maia – M.Div

Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré