Pular para o conteúdo principal

AS RELAÇÕES ISRAEL - JAVÉ NO ANTIGO TESTAMENTO










No que concerne à narrativa do Antigo Testamento, pode-se dizer que ela é dividida em duas partes. A primeira, constituída pelos onze capítulos iniciais de Gênesis que tratam de questões universais como a criação do mundo, a Queda do homem, e a disseminação do pecado na humanidade. Já a segunda parte, de Gênesis 12 até ao livro de Malaquias, diz respeito às relações entre Israel e Yahweh. Essas relações, segundo estudiosos, começaram por volta do ano 2000 a.C. com a aparição de Deus a Abraão, um homem da mesopotâmia, a partir do qual surgiria a nação judaica. 

Tais relações constituem o cerne da trama do AT e se caracterizam por apostasia e infidelidade por parte de Israel; e amor e longanimidade por parte de Deus. Embora o povo escolhido tenha testemunhado grandes atos divinos em seu favor por ocasião de sua libertação do cativeiro egípcio, durante sua caminhada no deserto até Canaã e nas guerras de conquista da terra prometida; Israel rapidamente se esqueceu dele e se desviou para o culto dos deuses cananeus. 

Para os cananeus, era o deus Baal que mandava a chuva, a qual era vista como seu sêmen caindo sobre a terra. Assim, o culto a ele consistia de orgias sexuais conduzidas por prostitutas e prostitutos cultuais (1Reis 14.24; Oséias4.14). Eram os chamados cultos da fertilidade. Israel praticou esse culto em períodos de sua história, chegando a ter no templo, erguido por Salomão ao SENHOR, um local para a guarda dos utensílios desse culto, bem como acomodações para os sacerdotes prostitutos (2Reis 1-30). 

Havia uma alternância de períodos de fé e apostasia em Israel. Diversos reis seguiram Javé; mas muitos outros não, dentre eles o grande Salomão. “Ele seguiu Astarote, a deusa dos sidônios, e Moloque, o repugnante deus dos amonitas”. O culto a Moloque consistia de atos sexuais e sacrifícios humanos. Salomão construiu um altar a ele, num monte a leste de Jerusalém (1Reis 11.5,7,33). Por causa desses desvios, Israel enfraqueceu-se como nação, foi dividida em dois reinos que depois foram destruídos e levados para o cativeiro, sucessivamente, pelos assírios e babilônicos. 

Durante esses períodos, Deus levantou profetas para reorientar o povo. Na Babilônia, preservou um remanescente, que depois retornou e reconstruiu Israel, no qual 500 anos depois entraria no mundo, por meio do Filho, Jesus Cristo. Israel, no Antigo Testamento, é um símbolo do homem, da humanidade. Suas relações com Deus mostram a condição de decadência humana, e o esforço divino em restaurá-la. Hoje, como no tempo da Antiga Aliança, existem muitas religiões no mundo que impedem o ser humano de adorar o Deus verdadeiro. O esquema do mundo é anti Deus. Por isso devemos atentar para a nossa relação com o SENHOR e observar o que Jesus ensinou: "Pai nosso ... venha o teu reino" (Mateus6.9,10). O Reino de Deus não é um lugar, mas é Ele reinando em nos corações.

Antônio Maia - M.Div.
Direitos autorais reservados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré