Pular para o conteúdo principal

O ESPÍRITO, O PODER E A CRUZ




Em geral, os cristãos tendem a associar a pessoa do Espírito de Deus ao poder e às manifestações de milagres. De fato, Jesus, momentos antes de ascender aos céus, disse aos discípulos: “... mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas ...” (Atos1.8). Desse modo, é natural que os que vivem segundo Cristo, vivam no poder do Espírito (Rm8.5). O Apóstolo Paulo disse que, quando esteve em Corinto, suas pregações a eles não consistiram “de palavras persuasivas de sabedoria humana”, mas “de demonstrações de poder do Espírito (2.4).

O livro de Atos dos Apóstolos está repleto de ações poderosas do Espírito, realizadas pelos discípulos. Pedro, por exemplo, em sua primeira pregação, levou a Cristo “cerca de três mil pessoas”. Depois, quando entrava com João, no templo, curou um aleijado de nascença, o que causou grande admiração aos presentes. Interrogado pelas autoridades religiosas e mestres da lei sobre aquele milagre, o texto diz que “Pedro, cheio do Espírito Santo” deu esclarecimentos e anunciou Jesus a eles, os quais ficaram admirados com a sua coragem e preocupados com as suas ações de poder espiritual.

No entanto, convém destacar que o poder do Espírito está também relacionado à vida de sofrimento, em função do testemunho de Cristo. Jesus disse: “υμας και εσεσθε μοι μαρτυρες” (himás kai esseste moi martires) – “e vós sereis minhas testemunhas”. Essa palavra “testemunho”, em grego, “μαρτυρια” (martíria), vem do verbo “μαρτμρέω” (martiréo) que significa “eu testemunho”, “eu testifico”. Está claro, então, que se posicionar como cristão, perante o mundo, pode resultar em dor, sofrimento e martírio. Contudo, o poder do Espírito, no crente, o ajudará a suportar tais tribulações.

Um caso emblemático que mostra essas duas faces do poder do Espírito Santo pode ser observado no episódio em que o rei Herodes “prendeu alguns que pertenciam à igreja”, incluindo Tiago, irmão de João, e Pedro. Este saiu da prisão com a ajuda de um anjo, mas Tiago foi morto à espada (Atos 12). Tendemos a exaltar o livramento de Pedro, mas ficamos confusos com o fato de Deus ter permitido a morte de Tiago. Imersos em uma cultura hedonista, não compreendemos que Tiago glorificou a Deus com o seu “μαρτυρια”, isto é, seu testemunho fiel até a morte.

Outro exemplo da ação do Espírito de Deus, para a glória e para a dor, pode ser visto na vida do Apóstolo Paulo. Cheio do Espírito, escreveu quase metade dos livros do Novo Testamento e levou o evangelho ao mundo gentílico. Realizou muitos milagres e teve visões inefáveis do reino divino (2Co12.2). Contudo, como servo de Deus, viu-se muitas vezes “em sofrimentos, privações e tristezas; em açoites, prisões e tumultos (2Co6.4). Sobre Paulo, disse Deus: “mostrarei a ele o quanto deve sofrer pelo meu nome” (Atos9.15,16).

Antônio Maia – M.Div

Direitos autorais reservados


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JESUS, INCOMPREENDIDO. - PARTE II

Como visto na primeira parte dessa reflexão, até mesmo os discípulos, que eram tão próximos a Jesus e caminhavam com Ele, não o compreendiam, de início. A causa, como já dito, era o fato de que eles esperavam um Messias político-nacionalista que libertaria Israel do império romano e o elevaria a uma posição importante entre as nações. No entanto, Jesus não se envolvia com política, era profundamente espiritual e afirmava que seu “Reino” não era deste mundo (João 18:36). Na verdade, o centro de seu ensino e pregação era, exatamente, o “Reino de Deus” (Lucas 6:20; 8:10; 9:62; 10:9; 11:2; 11:20; 12:31; 13:29; 16:16;17:20,21; 18:16,24; 21:31; 22:29,30). Mas, outros aspectos de sua pessoa contribuíam para essa incompreensão. Embora fosse um homem de “carne e sangue” com família e endereço fixo, seu nascimento sobrenatural, sua vida profunda de oração e a originalidade de seu ensino e pregação faziam as pessoas o virem como diferente e especial. Contudo, nada foi tão forte e impactante para

A MORTE DE CRISTO

  O autor do livro de Hebreus, escrevendo sobre Jesus, narrou: “portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana, para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte” (2.13,14). Neste texto, três questões se destacam: a necessidade de Deus, na pessoa do Filho, participar da condição humana, isto é, entrar no mundo; a vitória de Jesus sobre o Diabo; e o sacrifício de Jesus, na cruz, que salva da morte os seres humanos. Com respeito à primeira questão, pode-se afirmar que o Filho entrou no mundo para libertar a humanidade da morte eterna, que se instalou, no ser humano, por ocasião do pecado original. O Apóstolo Paulo escrevendo sobre esse assunto, aos Romanos, falou: “da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecar

JESUS, INCOMPREENDIDO. PARTE I

Os evangelhos mostram que até os discípulos de Jesus, de início, não o compreendiam. Ele era de “carne e sangue” (Hebreus 2.14) como todos nós, tinha uma família, uma profissão, mas os discípulos notavam que Ele era diferente. Suas atitudes, sua fala, sua espiritualidade e seu poder para realizar milagres faziam os discípulos o verem como o Messias que estava por vir, mas não exatamente como eles pensavam. Certa noite, enquanto eles atravessavam o mar da Galileia, Jesus dormia na popa do barco, quando sobreveio grande tempestade de tal modo que os discípulos se desesperam e o acordaram, clamando por socorro. Então, Jesus repreendeu o vento e a fúria do mar e logo veio grande calmaria. Ao verem Ele fazer aquilo, os discípulos ficaram admirados e falavam uns com os outros: “quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4: 35-41). Mas essa incompreensão sobre a pessoa de Jesus não estava limitada apenas aos discípulos. Certa vez, Ele retornou à cidade onde cresceu, Nazaré